Já ouviste dizer?...

...a nossa liberdade termina onde começa a liberdade do outro?
Somos todos seres livres, como humanos, constitucionalmente e até detentores do livre-arbítrio gentilmente oferecido por Deus contudo temos um limite nessa liberdade, uma linha infelizmente muito ténue para algumas pessoas, a partir da qual vamos afectar o outro, o seu bem-estar, a sua felicidade, a sua vida. É antes dessa linha que devemos parar de fazer seja o que for.
Uma vez ultrapassada essa linha cabe ao outro fazer uso da ferramenta que mais lhe convier para resolver a questão. No caso que tenho em mente o livre-arbítrio serve perfeitamente. E é aqui que decidimos se continuamos ou não a viver essa determinada situação. 
O incómodo é, regra geral, sinal de que a situação não é a mais adequada para nós e portanto deverá ser interpretado como um aviso para 'saltar fora antes que seja tarde' e é muito importante ouvirmos o nosso instinto, os nossos sentimentos. Se o outro nos incomodou com alguma acção, ultrapassou esse limite. 
Infelizmente fiquei incomodada. Fiquei!

4 comentários:

  1. Eu muitas vezes não ligo aos sinais de alerta. Vou pensando que se calhar sou eu, se calhar a pessoa não é assim. Penso que consigo conviver com os defeitos e abusos dos outros. Depois acaba por ser pior e "quebro a cara."

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Depois de muito quebrar a cara vais passar a estar mais atenta aos sinais. Ajudam bastante a seleccionar o que é bom ou mau para ti.

      Eliminar
  2. às vezes não os queremos é ver... :/

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Livre-arbítrio, aí já é tua escolha. Tua culpa, tua tão grande culpa ;)

      Eliminar