O valioso tempo dos maduros

"Contei meus anos e descobri que terei menos tempo para viver daqui
para a frente do que já vivi até agora.
Tenho muito mais passado do que futuro.
Sinto-me como aquele menino que recebeu uma bacia de cerejas.
As primeiras, ele chupou displicente, mas percebendo que faltam
poucas, rói o caroço.
Já não tenho tempo para lidar com mediocridades.
Não quero estar em reuniões onde desfilam egos inflados.
Inquieto-me com invejosos tentando destruir quem eles admiram,
cobiçando seus lugares, talentos e sorte.
Já não tenho tempo para conversas intermináveis, para discutir
assuntos inúteis sobre vidas alheias que nem fazem parte da minha.
Já não tenho tempo para administrar melindres de pessoas, que apesar
da idade cronológica, são imaturos.
Detesto fazer acareação de desafectos que brigaram pelo majestoso cargo
de secretário geral do coral.
'As pessoas não debatem conteúdos, apenas os rótulos'.
Meu tempo tornou-se escasso para debater rótulos, quero a essência,
minha alma tem pressa...
Sem muitas cerejas na bacia, quero viver ao lado de gente humana,
muito humana; que sabe rir de seus tropeços, não se encanta com
triunfos, não se considera eleita antes da hora, não foge de sua mortalidade,
Caminhar perto de coisas e pessoas de verdade,
O essencial faz a vida valer a pena.
E para mim, basta o essencial."

Mário de Andrade

Fé e Intuição

O ego faz-te acreditar em coisas. E tu pensas que acreditas. E sempre que se fala em fé, em caminho espiritual, em elevação, tu reportas-te imediatamente a essas coisas nas quais tu acreditas. E na tua cabeça surge a seguinte mensagem: "Tudo está no seu lugar. Eu acredito numas coisas, por isso tenho fé e, consequentemente, estou a evoluir."
Nada mais falso. Depende no que é que tu acreditas. Depende de quem é que te fez acreditar, porquê e para quê tu acreditas.
Se acreditas em algo como definitivo, não o pões nunca em causa, nunca duvidas; então essa crença é manifestamente uma crença colocada na tua mente pelo teu ego. Ele é que não quer que nada mude. Ele é que não gosta absolutamente nada do desconhecido. Se pusesses essa tua crença em dúvida, terias de repensá-la, e o ego tem muito medo de te deixar pensar, porque pode perder o controlo da tua cabeça.
Perceberás que só podes manter aquilo em que a tua mente acredita se verificares a autenticidade dessa crença. Como? Intuindo. Verificando se a mais profunda sensação intuitiva da tua essência, aquela que não se diz a ninguém e que só a nós pertence, aceita e assume essa ideia em que dizes acreditar
Sinceramente, a tua intuição aceita? Se sim, é realmente uma fé, uma crença verdadeira. Se a tua intuição mais profunda puder conferir e aceitar uma ideia, então estamos a falar de Fé. Mas se, no fundo do teu peito, houver uma dúvida, um peso, um temor, apenas algo que não seja leve e livre, então cuidado, porque é uma crença falsa, alimentada pelo ego, através da educação e da sociedade.

Alexandra Solnado
Ensinamento da semana 46

Contas...


Fiquei a saber por uns cálculos matemáticos que hoje é o meu 10284º dia no mundo...por isso me sinto cansada!
Este fds não estou para ninguém! Vou descansar!

Momento musical



I'm a hight school lover
And you my favorite flavour
Love is all
On my soul
You're my playground love

Yet my heart has shaking
'feel my body reaming
Time no matters
I'm on fire
On the playgroung yard

You're a piece of gold
Who flashes on my soul
Extratime on the groung
You're my playgroung love

Any time, any way, you're my playground love ...

Playground Love
Air

Uma óptima iniciativa

“ Energy Saving

A utilização de fundos pretos em web-sites e blogs reduz em grande parte o consumo de energia gasta pelo computador.
Por esta razão os criadores do google criaram outro motor de busca, o Blackle, que é tão eficaz como o Google, apenas é mais amigo do ambiente.

http://pt.blackle.com/

Fonte: In http://non-poluter.blogs.sapo.pt/

De repente

E, de repente, apaixono-me pela vida, pela paz que nela encontro, pela alegria nos olhares de quem me ama, pela loucura de uma palavra, de uma ideia, de uma aventura.
De repente sinto que o sentido da vida sempre esteve lá, à espreita, à espera de mim e da minha lucidez.
De repente, sinto que sou capaz de dar e receber, de trocar, de cuidar, de adorar.
De repente, ouço palavras que motivam, palavras que confortam, palavras que me elevam a outros patamares e me fazem voar bem alto por entre as montanhas que pensava serem impossíveis de ultrapassar.
A paisagem, de repente, tornou-se mais agradável, mais saborosa, mais apetecível até...
De repente, num segundo, tudo muda, tudo ganha cor, cheiro, sabor e despertamos para o sentido das coisas, para uma realidade que julgava morta, desaparecida, esquecida nos tempos passados.
De repente sinto-me outra...e agora EU QUERO!

Momento musical



If you’re not the one then why does my soul feel glad today?
If you’re not the one then why does my hand fit yours this way?
If you are not mine then why does your heart return my call?
If you are not mine would I have the strength to stand at all?

I never know what the future brings
But I know you are here with me now
We’ll make it through
And I hope you are the one I share my life with

I don’t want to run away but I can’t take it, I don't understand
If I’m not made for you then why does my heart tell me that I am?
Is there any way that I could stay in your arms?

If I don’t need you then why am I crying on my bed?
If I don’t need you then why does your name resound in my head?
If you’re not for me then why does this distance maim my life?
If you’re not for me then why do I dream of you as my wife?

I don’t know why you’re so far away
But I know that this much is true
We’ll make it through
And I hope you are the one I share my life with
And I wish that you could be the one I die with
And I pray in you’re the one I build my home with
I hope I love you all my life

I don’t want to run away but I can’t take it, I don't understand
If I’m not made for you then why does my heart tell me that I am?
Is there any way that I could stay in your arms?

‘Cause I miss you, body and soul so strong that it takes my breath away
And I breath you into my heart and pray for the strength to stand today
‘Cause I love you, whether it’s wrong or right
And though I can’t be with you tonight
You know my heart is by your side

I don’t want to run away but I can’t take it, I don't understand
If I’m not made for you then why does my heart tell me that I am?
Is there any way that I could stay in your arms?

Daniel Bedingfield
If your not the one

CONTRAST MAKES REALITY

Provocadores

Eu gosto de uma boa provocação.
Admito que gosto quando eles são atrevidotes e envolvem em palavras de sedução e algum erotismo!
Mas tem que ser tudo q.b., nada de vulgaridades!
Quando vêm com aquelas típicas conversas de engate perdem logo a piadinha toda mas aqueles que têm o dom da palavra, têm um bom timming, que usam charme e uma boa dose de romantismo...gosto!

E para minha surpresa, ainda existem homens românticos...

Fim às limitações

“Você cresceu a acreditar em tantas limitações que, ao fim de algum tempo, a sua vida manifestou realmente essas limitações. Você deve esquecer essa noção de impossibilidade e desenvolver dentro de si a certeza de que possui a capacidade de criar qualquer mudança que escolha para si mesmo.”

de José Micard Teixeira

Momento musical



New blood joins this earth
And quickly he's subdued
Through constant pained disgrace
The young boy learns their rules
With time the child draws in
This whipping boy done wrong
Deprived of all his thoughts
The young man struggles on and on he's known
A vow unto his own
That never from this day
His will they'll take away

What I've felt, what I've known
Never shined through in what I've shown
Never be, never see
Won't see what might have been
What I've felt, what I've known
Never shined through in what I've shown
Never free, never me
So I dub the unforgiven

They dedicate their lives
To running all of his
He tries to please them all
This bitter man he is
Throughout his life the same
He's battled constantly
This fight he cannot win
A tired man they see no longer cares
The old man then prepares
To die regretfully
That old man here is me

What I've felt, what I've known
Never shined through in what I've shown
Never be, never see
Won't see what might have been
What I've felt, what I've known
Never shined through in what I've shown
Never free, never me
So I dub the unforgiven

What I've felt, what I've known
Never shined through in what I've shown
Never be, never see
Won't see what might have been
What I've felt, what I've known
Never shined through in what I've shown
Never free, never me
So I dub the unforgiven

Never free, never me
So I dub the unforgiven
You labeled me, I'll label you
So I dub the unforgiven
Never free, never me
So I dub the unforgiven
You labeled me, I'll label you
So I dub the unforgiven

The Unforgiven
Metallica

Preciso de ti

É um apelo ao amigo.

Hoje preciso de ti...

Nos outros dias também precisei mas mantive a distancia e a esperança de que a tempestade passasse e não necessitasse de pedir, de chatear, de correr para o teu ombro. Não gosto de admitir que necessito, sabes disso. Só mesmo quando a arma está apontada à cabeça é que te digo o quanto me fazes falta.

Cansei-me de me armar em forte, aquela que ouve, opina, dá conselhos e não mostra que está a sofrer. Aquela que ri e sorri e tem a alma em sangue...

Não gosto de admitir que preciso, prefiro esconder-me entre os demais e deixar minhas mágoas para momentos de solidão.

Mas hoje, tal como ontem e talvez amanhã, preciso de ti para aquele empurrão, para aquele alento, para aquela força e alegria que teimam em escapar-me das mãos por mais optimista que tento ser.

Preciso de ti...

Pensamento

Olho para trás e não me reconheço. Sei pouco o que sou agora e o que pretendo ser amanhã.
Apenas sei que está na altura. O recomeço já aconteceu lá atrás com promessas de algo melhor mas foi-se adiando o viver, o aproveitar. Apenas sei que continuar a sofrer não faz parte dos meus ideais, continuar a pensar no que já foi, no que não será mais apenas corrompe minha alma, meus sonhos, meus desejos.
Não choro pelo que entristeceu, não sofro pelo que já lá vai e me largou a mão.
Hoje decidi que está na altura de fazer algo, de mudar algo, de ser algo que até agora não quis ser: eu mesma!
Mas...quem sou eu?

Bom fim-de-semana

in: deviantart.com

O passado e como limpar o Karma

O passado. Esse grande monstro chamado passado. As pessoas acham que tudo o que aconteceu na sua vida e na vida das outras pessoas, tudo o que já passou, está enterrado. Não se pensa mais nisso. Não se ressuscita, não se vai buscar. Ninguém quer sofrer duas vezes. Acham que o que lá vai, lá vai, e não repensam no que passou.
Mas não percebem que iriam repensar no que passou com a mente esclarecida de hoje, uma mente já não egóica, uma mente não comprometida com a ilusão que o ego monta para evitar o sofrimento.
E o que é que acontece?
Como não se vai lá, como não se vai às situações do passado que nos fizeram sofrer, a opinião que hoje tens delas é a mesma que a tua mente de então tinha, pois não foi reciclada pela tua nova espiritualidade.
Resultado: o ego está lá, pronto a saltar. Enxovalhado, rejeitado, traído. Não está reciclado nem transformado em alma, que é o que eu proponho.
Vai ao passado. Vai ao que viveste, situação a situação, e revive-a, sofre-a outra vez, mas reenergiza-te com o amor incondicional que recebes cá de cima, enche cada situação de luz, enche-te - naquela época, com aquela imagem, com aquela roupa - de luz. E tudo se irá diluir em luz.
Irás colocar uma nova energia no teu passado, e ele, por sua vez, nunca mais te irá surpreender com a sua força traumática e traumatizante.
A isso chama-se limpar o karma. O karma desta vida.

Alexandra Solnado

Filosofando

Ao ler um texto num blog acerca de um professor de filosofia lembrei-me que ontem à noite, enquando me deitava, tive uma sequência imensa de pensamentos que finalizaram na recordação do meu professor de filosofia da escola secundária. Era hilariante. Tinha um ar sério que escondia umas covinhas muito engraçadas que fazia no rosto quando sorria de gozo, um bigode assim farfalhudo, barriga proeminente e tresandava a bagaço logo pela manhã que era uma coisa maluca.

Antes mesmo de ser meu professor, havia sido professor da minha irmã portanto já tinha ouvido falar dele. Era um engraçado. Como gosto de filosofia, de indagar, de criar cadeias de pensamentos e reflectir sobre eles sempre com um sentido lógico, adorava as aulas dele pois ele era assim. Pouco falava, atirava assim umas quantas coisas para o ar e discutiamos sobre o assunto. Um porreiro que nos deixava levar o livro para os testes. Ele sabia bem o que queria de nós, não eram transcrições do livro mas interpretações e eu sabia faze-las muito bem. Tinhamos empatia e isso era bom para mim. Como morava relativamente próximo de minha casa várias vezes fomos juntos no autocarro, e daí conheci a sua faceta mais descontraída.

Era tio de um vizinho meu, coincidências à parte. E realmente tinha tudo a ver, pensavamos nós... Quando o conhecemos e soubemos do grau de parentesco com nossos vizinhos eis o que aconteceu.

Minha irmã:
-Não sabia que era teu tio mas depois de o dizeres realmente percebo, é mesmo muito parecido com o teu pai, o bigode e tudo!

Ao que meu vizinho responde:
-Sim...mas ele é irmão da minha mãe!!!

Quem terá ficado mais envergonhado?!?
Como seria possível, questionamos nós, que a mãe desses nossos vizinhos tivesse casado com um homem completamente parecido com o irmão?!? Um pensamento assustador, certo?!?

Infelizmente já faleceu, ainda novo. Mas recordo-o sempre com esta situação caricata.

Pensamento


Leva-me daqui, para um sitio distante e abraça-me apertadinho.
Deixa-me abrigar-me no teu abraço e sentir que nada tenho que temer, que nada me aflige, que nada me fará mal.
Leva-me e deixa-me sentir-te perto, o teu calor, o bater do teu coração e fechar os olhos por um pouco, apenas um pouco e libertar-me do mundo, de mim...
Leva-me e abraça-me, por favor!

É desta que me passo...

Estou com uns nervos em franja que nem vos digo. Uns acessos de fúria misturados com palpitações, exaltações, tremores e coisas e tal que acho que daqui a pouco parto qualquer coisinha, na melhor das hipóteses. Até acordei mais cedo perturbada pelos meus pensamentos...
Eu sou uma besta, essa sim é a mais pura das verdades, a minha realidade e não há nada nem ninguém que me consiga dizer ou provar o contrário.
Eu preocupo-me demais, eu penso demais, eu vivo demasiado com o coração (este desgraçado que ainda é um menino, uma criança e não sabe o que faz). Preocupo-me com quem não devo e acabo por me colocar neste tipo de situações desagradáveis.
Mas porque não ouço a voz da minha consciência que me fala tão bem e deixo meu coração levar avante os seus intuitos? Porque me enterro com tanta frequência e em vez de me agarrar ao que é certo insisto em cavar a cova cada vez mais funda?
Já sei que não fazem a mínima ideia do que para aqui escrevo, do que se passa. Sinceramente acho que até me envergonho de dizer pois dedico tanto do meu tempo com essa questão que até parece mal.
Pois bem...o B., sim, ele! Mudou de número de telemóvel, não avisou e mandei sms de aniversário para o ca***** mais velho!!!
Grrrrr...que nervos!!!!

Cromos repetidos

Ontem, ao ver um amigo homem a ler um jornal desportivo e reparado na última página, aquela que presenteia o leitor com uma donzela em trajes menores e mais avantajada que o habitual, pus-me a pensar na quantidade de mulheres que já teriam passado por aquela página de modo a não haver repetição. Contudo, num flash de pensamento, lembrei-me que os homens provavelmente nunca iriam reparar na repetição do elemento feminino visto que a cara, certamente, não será para onde dirigem mais a sua atenção. Sendo assim, aquelas mamocas ali expostas já poderão ter aparecido na edição do dia X do mês anterior e de outros meses até que os homens não irão aprecia-las como se da primeira vez se tratasse!!! Ou...no que toca a mamocas, eles não são facilmente enganados?!?

Para não haver surpresas...

Não é por falta de aviso!

Fico a pensar...


Já alguma vez vos aconteceu pensarem numa pessoa que já não vêm à algum tempo e nos dias a seguir terem notícias dela?
É que acabou de acontecer-me...

Aaaahhhhhhh!!!!!


Alerta, alerta, alerta...excesso de energia!!!!

Dia magnífico

Está a chover sem parar, o dia está cinzento e está frio. Este poderia ser um dia chato, triste, melancólico mas continuo na saga de que ESTE É UM BOM DIA! E assim vou continuar para dar a volta por cima e não deixar que tristeza alguma me deite abaixo.
É um dia especial, como são todos, é um presente, uma dávida, uma alegria que aproveito da maneira como posso, limitada pelas responsabilidades. Vou trabalhar até ao fim do dia e depois ginasticar bastante!
Que dia magnífico!

Parabéns para o B...

Ele hoje faz anos. Pensei neste dia fazer um post dedicado a ele por ser o seu dia, alguma coisa especial para recorda-lo. Reflecti melhor e creio não haver razão alguma para o fazer (a não ser torturar-me!)
Até este dia chegar estive nervosa, afinal é o primeiro aniversário em que não estou presente, em que não sou namorada dele para lhe dar aquele miminho especial, e hoje, pelo estado de ansiedade, mais uma vez, sonhei com ele. Para variar, no sonho estavamos bem, felizes, juntos...mais um acordar meio esquisito! Pois apesar de sentir saudade, estarmos juntos não é o que desejo. Tem alturas em que me lembro de como era bom te-lo ao meu lado, como nos inícios eramos divertidos, unidos e alegres, como era bom o seu abraço, o beijo, como era bom ter alguém por perto, meu cúmplice, meu amigo, mas depois recordo tudo o que passei, a luta que travei, a distância no olhar e sei que ficamos melhor assim.
É um dia especial, que mexe comigo mas que pensei que fosse ser mais difícil. Já enviei minha sms logo de manhã a desejar os parabéns e meia cruz já me saiu das costas. Custa-me ter que dizer seja o que fôr e a ele também sei que custa receber e mesmo responder (pois ele gosta do seu mundo de silêncio) mas não dar os parabéns deixar-me-ia de consciência pesada, a pensar se o teria magoado, se ele ficaria a pensar mal de mim...fiz a minha parte.
Não vou dedicar-lhe nenhum post porque não é preciso, porque não há motivo, porque reservo minhas palavras carinhosas para alguém que um dia as queira e mereça ouvir. Porque não há necessidade de massacrar-me ainda mais com lembranças e recordações que têm um lugar reservado, especial mas que é nesse lugar que devem estar e não serem trazidas à tona.
A ele, desejo-lhe um feliz aniversário, apesar de saber o quanto ele detesta este dia (e qualquer outra festividade!!). Merece atingir todos os objectivos pelos quais tem lutado arduamente e pelos quais abdica da sua própria vida.
Parabéns B.

Momento musical



Please, please forgive me,
But I won't be home again.
Maybe someday you'll look up,
And, barely conscious, you'll say to no one:
"Isn't something missing?"

You won't cry for my absence, I know -
You forgot me long ago.
Am I that unimportant?
Am I so insignificant?
Isn't something missing?
Isn't someone missing me?

Even though I'd be sacrifice,
You won't try for me, not now.
Though I'd die to know you loved me,
I'm all alone.
Isn't someone missing me?

Please, please forgive me,
But I won't be home again.
I know what you do to yourself,
I breathe deep and cry out,
"Isn't something missing?
Isn't someone missing me?"

Even though I'd be sacrifice,
You won't try for me, not now.
Though I'd die to know you loved me,
I'm all alone.
Isn't someone missing me?

And if I bleed, I'll bleed,
Knowing you don't care.
And if I sleep just to dream of you
I'll wake without you there,
Isn't something missing?
Isn't something...

Even though I'd be sacrifice,
You won't try for me, not now.
Though I'd die to know you loved me,
I'm all alone.
isn´t something missing?
Isn't someone missing me?

Evanescence
Missing

Frase da semana


“Quanto mais tempo da sua Vida é que está disposto a desperdiçar? Quanto mais tempo da sua Vida está disposto a continuar a sofrer? Quanto da sua Vida está finalmente disposto a reivindicar hoje? Quanto mais tempo vai deixar que os outros mandem nas suas escolhas?”

in “Aprenda a Viver sem Stress” de José Micard Teixeira

Estrangeirismos

Já alguém ouviu a expressão "boa noite e um queijo"?

É uma expressão muito utilizada aqui pelo boss. A título de exemplo: "...fica assim, não me preocupo mais, boa noite e um queijo...!"

Isto diz alguma coisa a alguém?!? Pergunto até um pouco a medo porque depois de tanto tempo a gozar com a expressão vinda de um homem meio (todo ele) aparvalhado decidi pesquisar na net se haveria alguma coisa neste sentido e encontrei, inclusivé, um blog com este nome...ao que parece a expressão existe mas o seu significado ainda não descortinei! Ups!!!

Over and over again

Hoje voltei a sonhar com "ele".
Odeio quando tenho noites assim, acordo com um peso, um aperto no peito, com saudades, imensas saudades, com remorsos, com pena, com medo! Nos primeiros momentos a seguir ao despertar sinto como se fosse o final do mundo, uma sensação terrível percorre-me e não queria vivenciar aquilo, não queria sentir aquele vazio, aquela sensação de impotência perante o impossível retorno, o nunca mais.
Quando sonho com "ele" os sonhos são sempre iguais: estamos sempre bem, vejo o sorriso dele, beijo a boca dele...que saudades!
Porque minha mente me tortura desta forma? Se o dia corre pacificamente e sem dores no coração, porque minha mente à noite decide fazer das suas e magoar-me deste jeito?

Irónico!


Quando era miúda, graças a Ariel, a pequena sereia, eu tinha o desejo secreto de ser uma sereia .
Com 28 anos...não sei nadar!

Fico chocada com as notícas do mundo

Ontem ao ler o Jornal de Notícias deparei-me com uma notícia que me chocou imenso e que poderão lê-la aqui.

Uma criança indiana, com 11 anos, terá cometido suicídio depois de ter sido proibida pelos pais de participar num concursos de televisão.

Como é possível uma criança cometer suicídio? Como é possível uma criança lembrar-se de morrer e pior, não ter medo da morte a ponto de enfrentá-la assim deste modo?

Vocês ainda se lembram quando tinham 11 anos? Por entre brincadeiras, risos, choros, ralhetes de nossos pais ou tutores, alguma vez lembraram-se da possibilidade de morrerem? Sei que pensei algumas vezes o quanto me assustava perder os meus pais e minha irmã, e como isso me magoava só de pensar mas nunca, em nenhum momento, achei possível a morte passar por mim. Eu era intocável! Tantas vezes que caia a andar de bicicleta e me esmurrava toda, tantas vezes que me magoei nas brincadeiras e aparecia em casa com os joelhos completamente esfolados e em sangue e nunca me ocorreu sequer a possibilidade de ficar doente por isso ou de partir o pescoço cada vez que trepava uma arvore, quanto mais que houvesse a possibilidade de eu morrer. Morte era para os mais velhos, não para mim.

O que levará uma criança a sofrer de tal modo que nem sequer tem noção de todo o resto que a rodeia, da vida que ainda a espera, das coisas magníficas que poderá fazer? Não puder dançar na TV será motivo suficiente na cabeça de uma criança para julgar não haver mais nada que interesse na vida? Estaremos a prestar atenção às nossas crianças para não vermos a tristeza nos seus olhares ou identificar comportamentos invulgares que precisarão de cuidado?

Ninguém está livre de ter em mãos uma situação incompreensível destas e não quero julgar ninguém porque nem sequer tenho esse direito, mas aqueles pais não se aperceberam de nada? Como é possível?

À medida que ia pesquisando sobre esta notícia para vos escrever, deparei-me com muitas mais acerca de suicídios de crianças indianas por razões que não lembra a ninguém. Uma delas era sobre uma jovem de 16 anos que, em Setembro do ano passado, assustada com as experiências levadas a cabo para reproduzir o fenómeno Big Bang e amedrontada com a possibilidade de acontecer o final do mundo, cometeu suicídio. Os canais de TV indianos assustaram de tal modo a população com as suas previsões que muitos correram aos templos para rezarem e outros não conseguiram lidar com o medo, como o caso da menina de 16 anos.
Terá alguma coisa a ver com a cultura e a educação do país? Ou o valor da vida humana simplesmente desapareceu?

I'M SICK...

Momento musical



I know you suffered
But I don't want you to hide
It's cold and loveless
I won't let you be denied

Soothe me
I'll make you feel pure
Trust me
You can be sure

I want to reconcile the violence in your heart
I want to recognize your beauty's not just a mask
I want to exorcize the demons from your past
I want to satisfy the undisclosed desires in your heart

You trick your lovers that you're wicked and devine
You may be a sinner
But your innocence is mine

Please me
Show me how it's done
Tease me
You are the one

I want to reconcile the violence in your heart
I want to recognize your beauty's not just a mask
I want to exorcize the demons from your past
I want to satisfy the undisclosed desires in your heart

Please me
Show me how it's done
Trust me
You are the one

I want to reconcile the violence in your heart
I want to recognize your beauty's not just a mask
I want to exorcize the demons from your past
I want to satisfy the undisclosed desires in your heart

Undisclosed Desires
Muse

People come and go

Tem coisas que acontecem naturalmente na nossa vida.

Dizem que todas as pessoas passam por nós sempre por um motivo e da mesma forma simples que surgem também desaparecem. É verdade. As pessoas chegam e partem da nossa vida, assim como nós das delas num processo completamente natural que pode gerar dor ou não conforme a importância da pessoa em causa.

Não me consigo lembrar de todas as pessoas que já se cruzaram comigo em algum momento e que, de uma forma ou de outra, contribuiram, partilharam ou ensinaram alguma coisa ou que eu tenha feito isso a elas. Seria impossível lembrar-me. No entanto, nem sempre os casos mais recentes são os mais lembrados! Hoje, consigo ter a noção de como algumas pessoas tiveram uma importância extrema na minha vida, no meu crescimento e não tomei atenção na altura. Pessoas que gostava muito de ver agora nem que fosse para agradecer como deveria ter feito na altura.

Amizades surgem, amizades terminam, fica sempre aquela tristeza pela partida, pelo que se perdeu, pelo que foi vivido e não voltará tal como numa relação amorosa.

Tudo tem um princípio, tudo tem um fim, nós mesmos, a nossa existência teve um início e terá um fim por isso só temos de aceitar esta ordem natural das coisas.Claro que me entristece quando tudo termina mas alegra-me quando novos laços surgem. Fico triste quando entendo que talvez tudo não tivesse a importância que lhe dei, o tempo que lhe dispendi, a atenção que atribui. Fico triste quando abrem mão de mim e nada posso fazer, mas eu também já abri mão de muita gente, já deixei partir sem regresso. Infelizmente sei, que em muitas situações fui insensível, não soube colocar-me no lugar do outro e tentar perceber o quando sofria pela partida, o quanto lhe custava, mas eu própria não tinha a noção do quanto me iria custar a sua ida.

A questão é mesmo essa, não valorizamos as pessoas no momento em que elas estão presentes e fazem parte de nós. Pensamos e lembramo-nos delas quando já vão longe, quando, mesmo com muito sacrifício, nos substituiram na vida delas e aí ficamos a pensar no nosso valor como pessoas, como humanos.

Agora tudo é diferente. A todas as pessoas é-lhes dada a importância devida, a atenção que merecem. Cuido dos outros para ser cuidada. Amo os outros para ser amada. E aceno um olá com um sorriso para os que ainda se cruzarão comigo na vida. Sejam bem-vindos!

Estado de espírito


QUE MOCA DE SONO!!!

Yes, I do!

Por ler no blog da Aninhas acerca do referendo sobre o casamento homosexual e, com muito humor, a Aninhas afirmar que poderia casar com a almofada ou o cobertor que ninguém tinha nada a ver com isso, lembrei-me do caso caricato da mulher americana que em Agosto foi noticiada como perdidamente apaixonada pela Roda Gigante de uma feira popular. Lembram-se disso?

Eu transcrevo a notícia do dia 5 de Agosto de 2009:

Mulher apaixona-se por Roda Gigante

Amy Wolf está obsecada com a Roda Gigante desde que é adolescente e garante que vai casar com o aparelho


Uma mulher norte-americana afirma que se apaixonou por uma roda gigante e que tenciona casar com a estrutura. De acordo com o site Ananova, Amy Wolf de 33 anos, está obcecada com a roda gigante desde que é adolescente. Wolf anda cerca de 300 vezes por ano no aparelho e antes de se deitar olha sempre para a sua fotografia.

A mulher nunca teve um namorado e sofre de uma rara condição, paixão por objectos inanimados, isto é, desenvolveu uma atracção por objectos. Wolf garante que vai casar com a roda gigante que se chama «1001 Nachts» e mudar o apelido para Weber, o nome do fabricante do aparelho.

«Sou atraída por ele sexualmente e mentalmente. Não me descontrolei quando percebi, porque tudo parece natural. No entanto, não disse nada a ninguém porque sabia que não era normal ter sentimentos por uma roda gigante», explica a mulher.

Fonte: diario.iol.pt

E com coisas assim ainda nos preocupamos por alguém querer casar com outro ser humano?!?

Reflexões de Albert Einstein


“O segredo da criatividade está em dormir bem e abrir a mente às possibilidades infinitas. O que é um homem sem sonhos?.”

“Não penso no futuro, pois ele chegará em seu momento.”

“Espero que não sejamos um sonho que Deus sonha, ou nosso futuro será muito relativo.”

“Quando te sentas com uma linda garota por duas horas, parece como se tivesse passado dois minutos. Quando te sentas em uma estufa quente por dos minutos, parece que se passaram duas horas. Isso é a Relatividade!”.

“Se A é igual ao êxito, então a fórmula é A=X+Y+Z onde: X é trabalho, Y é julgar e Z é manter a boca fechada.”

“Há duas maneiras de viver uma vida: A primeira é pensar que nada é um milagre, a segunda é pensar que tudo é um milagre. Do que estou seguro é que Deus existe.”

“Só há duas coisas infinitas: o Universo e a Estupidez Humana, mas não estou muito seguro da primeira. Da segunda pode-se observar como nos destruímos só para demonstrar quem pode mais.”

Bom começo

Nada mais agradável do que, logo pela manhã, ver aquela carinha tão fofa da minha sobrinha, aquelas mini-bochechas nas quais só apetece dar beijos e mais beijos. E foi o que fiz...
Foi assim minha manhã...Rita chegou lá a casa, ia a caminho da "pica", coitadinha, mais uma! Estava metida em roupa e mais roupa dos pés à cabeça, só mesmo a carinha de fora. E aquele barrete com as orelhinhas...fica tão fofa!!!
Aaahhhh...estou viciada!!!

Momento musical



Eis o melhor e o pior de mim
O meu termômetro, o meu quilate
Vem, cara, me retrate
Não é impossível
Eu não sou difícil de ler
Faça sua parte
Eu sou daqui, eu não sou de Marte
Vem, cara, me repara
Não vê, tá na cara, sou porta bandeira de mim
Só não se perca ao entrar
No meu infinito particular
Em alguns instantes
Sou pequenina e também gigante
Vem, cara, se declara
O mundo é portátil
Pra quem não tem nada a esconder
Olha minha cara
É só mistério, não tem segredo
Vem cá, não tenha medo
A água é potável
Daqui você pode beber
Só não se perca ao entrar
No meu infinito particular

Marisa Monte
Infinito Particular

Ggrrrrr.....

Não consigo! Não consigo mesmo ser uma pessoa rude, mal-educada e defender as minhas causas sabendo que vou magoar outras pessoas e com isso fico calada e sorrio perante tanta e tamanha estupidez que passa em frente dos meus olhos.
Como eu gostava de conseguir ser uma verdadeira fdp, só de vez enquando, para puder mandar assim uma ou outra pessoa pastar bem para longe. Porque sou mau feitio apenas com quem gosta de mim?!?

Feliz aniversário...ou não!!!

Quando estamos magoados os aniversários e datas importantes parecem ser aquele dedo que insiste em mexer na ferida. Com o aproximar dos dias especiais ou das datas que ficaram na memória por razões menos boas, sinto-me enfraquecer, sinto um aperto tal no coração que julgo não ter coragem para viver esses dias e o pânico instala-se pois não tenho escapatória, esses dias vão mesmo passar por mim.

"Ele" faz anos este mês e fará também um ano que nos separamos sem retorno. Vão ser duas semanas de agonia, de recordações imparáveis, memórias que já teimam em torturar em dias comuns e que nestes dias que se aproximam farão das suas ao meu pobre coração massacrado!

Um dia estes dias serão apenas mais um, mas neste momento, mesmo que passado um ano, são dias que trazem sentimentos tão vivos como o eram à um ano atrás.
Não peço que o tempo passe depressa por culpa da dor pois sinto que o tempo já voa depressa demais e me escapa entre os dedos, peço sim que sejam dias alegres, providos de sorrisos e boa companhia para que não pareçam tão angustiantes e sem fim.

Eu sei que "ele" detesta o dia de aniversário, aliás, detesta tudo o que seja festividades. Sei que fez um sacrifício enorme para me telefonar no meu aniversário e que aqueles minutos foram uma verdadeira tortura pois, tal como eu, também sofre com fim da relação, com tudo o que aconteceu de errado e não podemos corrigir nem voltar atrás. E agora a dúvida instala-se: devo telefonar-lhe no aniversário? Quererá ouvir-me nesse dia ou preferirá estar no seu canto, em silêncio, sem que ninguém o chateie? Com certeza a segunda hipótese mas não posso ignorar o dia pois continua a ser o dia "dele".

Como eu os adoro








Páre e escute

Eis que o homem desce na estação do metro L'Enfant Palaza em Nova York e colocou-se encostado a uma parede ao lado de um caixote de lixo. Vestia apenas uns jeans, uma camisola de mangas compridas e um boné de baseball dos Washington Nationals. De uma mala pequena ele retira um violino e coloca a caixa aberta a seus pés e nela alguns trocos que tinha no bolso. Começa a tocar...

Eram 7h21m da manhã numa segunda-feira, dia 12 de Janeiro, a meio da hora de ponta. Nos 43 minutos em que tudo acontece, enquanto o violinista toca seis clássicos, 1907 pessoas passam. A maior parte delas vai a caminho do seu emprego, o que significa que quase todos trabalham para o Governo. Esta é uma estação de metro que se encontra no núcleo de Washington federal e as pessoas que por lá passam são maioritariamente burocratas de nível médio: analistas políticos, consultores, gerentes, etc.

Cada transeunte tem uma escolha rápida a fazer: parar e ouvir? Passa a correr um pouco culpado e irritado por ele estar ali a "pedir" atenção que não têm tempo para dar? Atira-lhe uma moeda apenas para ser educado?
A sua escolha muda se o violinista fôr realmente mau? Ou se ele fôr extremamente bom? Existe tempo para a beleza? Qual a moral deste momento?

Numa manhã de Janeiro essas questões seriam respondidas ali, em praça pública de uma forma pouquíssimo usual. Ninguém sabia mas o músico era Joshua Bell, um dos maiores violinistas do mundo, executando peças musicais consagradas num instrumento raríssimo, um Stradivarius de 1713 estimado em mais de 3 milhões de dólares.

Alguns dias antes Bell havia tocado no Symphony Hall of Boston onde os melhores lugares custaram a quantia de mil dólares.

A experiência no metro, gravada em vídeo, mostra homens e mulheres de andar ligeiro, copo de café na mão, telemóvel ao ouvido, indiferentes ao som do violino.

A iniciativa, realizada pelo jornal Washington Post, era a de lançar um debate sobre valor, contexto e arte.

A conclusão é de que estamos todos acostumados a dar valor às coisas quando estão inseridas num contexto. Bell, no metro, era uma obra de arte sem moldura, um artefacto de luxo sem etiqueta nem marca.

Vejam o vídeo, é fantástico ver como as pessoas reagem.




Este é mais um exemplo daquelas situações que acontecem nas nossas vidas que são únicas, singulares e que não damos importância porque não vêm com a etiqueta do preço.

Afinal, o que tem valor para nós independentemente de marcas e preços? É o que o mercado diz que podemos ter, vestir, sentir e ser? Será que os nossos sentimentos e a nossa apreciação da beleza são manipulados pelo mercado, pelos média e pelas instituições que detêm o poder financeiro? Será que estamos a valorizar somente o que tem etiqueta com preço?

Entretenimento

Malcom in the middle é uma série americana de comédia criada a 09 de Janeiro de 2000. Estaria, portanto, quase a fazer 10 anitos se não tivesse terminado em 2006.
Lembro-me de ver, de vez enquando, um ou outro episódio nessa altura mas de não achar muita graça, pelo contrário, achava mesmo um humor a roçar o estúpido. Contudo, desde que sigo o canal Fox, esta série vai para o ar com bastante regularidade e faz-me alguma companhia. E não é que a série até é bastante engraçada?!?
Sem dúvida que minha opinião mudou. Continua a ser estúpida, é verdade, mas rio-me que me farto com as peripécias desta família completamente maluca e disfuncional.


A felicidade ninguém ma tira, só eu mesma!

Momento musical



Fui bailar no meu batel
Além do mar cruel
E o mar bramindo
Diz que eu fui roubar
A luz sem par
Do teu olhar tão lindo

Vem saber se o mar terá razão
Vem cá ver bailar meu coração

Se eu bailar no meu batel
Não vou ao mar cruel
E nem lhe digo aonde eu fui cantar
Sorrir, bailar, viver, sonhar contigo

Vem saber se o mar terá razão
Vem cá ver bailar meu coração

Se eu bailar no meu batel
Não vou ao mar cruel
E nem lhe digo aonde eu fui cantar
Sorrir, bailar, viver, sonhar contigo

Dulce Pontes
Canção do Mar