People come and go

Tem coisas que acontecem naturalmente na nossa vida.

Dizem que todas as pessoas passam por nós sempre por um motivo e da mesma forma simples que surgem também desaparecem. É verdade. As pessoas chegam e partem da nossa vida, assim como nós das delas num processo completamente natural que pode gerar dor ou não conforme a importância da pessoa em causa.

Não me consigo lembrar de todas as pessoas que já se cruzaram comigo em algum momento e que, de uma forma ou de outra, contribuiram, partilharam ou ensinaram alguma coisa ou que eu tenha feito isso a elas. Seria impossível lembrar-me. No entanto, nem sempre os casos mais recentes são os mais lembrados! Hoje, consigo ter a noção de como algumas pessoas tiveram uma importância extrema na minha vida, no meu crescimento e não tomei atenção na altura. Pessoas que gostava muito de ver agora nem que fosse para agradecer como deveria ter feito na altura.

Amizades surgem, amizades terminam, fica sempre aquela tristeza pela partida, pelo que se perdeu, pelo que foi vivido e não voltará tal como numa relação amorosa.

Tudo tem um princípio, tudo tem um fim, nós mesmos, a nossa existência teve um início e terá um fim por isso só temos de aceitar esta ordem natural das coisas.Claro que me entristece quando tudo termina mas alegra-me quando novos laços surgem. Fico triste quando entendo que talvez tudo não tivesse a importância que lhe dei, o tempo que lhe dispendi, a atenção que atribui. Fico triste quando abrem mão de mim e nada posso fazer, mas eu também já abri mão de muita gente, já deixei partir sem regresso. Infelizmente sei, que em muitas situações fui insensível, não soube colocar-me no lugar do outro e tentar perceber o quando sofria pela partida, o quanto lhe custava, mas eu própria não tinha a noção do quanto me iria custar a sua ida.

A questão é mesmo essa, não valorizamos as pessoas no momento em que elas estão presentes e fazem parte de nós. Pensamos e lembramo-nos delas quando já vão longe, quando, mesmo com muito sacrifício, nos substituiram na vida delas e aí ficamos a pensar no nosso valor como pessoas, como humanos.

Agora tudo é diferente. A todas as pessoas é-lhes dada a importância devida, a atenção que merecem. Cuido dos outros para ser cuidada. Amo os outros para ser amada. E aceno um olá com um sorriso para os que ainda se cruzarão comigo na vida. Sejam bem-vindos!

13 comentários:

  1. "Fico triste quando entendo que talvez tudo não tivesse a importância que lhe dei, o tempo que lhe dispendi, a atenção que atribui."

    Não concordo com esta parte que aqui cito. Quando damos tempo e atenção, damos porque naquele momento achamos certo e queremos dar. Se depois vemos que não valeu a pena, parece que estamos na pele de cobradores. "Dei-te atenção, e depois não retribuiste."

    É o que eu penso, posso estar errado, ou ter entendido mal. Acho que não disseste como entendi.

    Também já reparaste que, tal como as pessoas, até os nossos sentidos só lhes damos a importância que merecem quando eles já não existem? Hoje por hoje nem pensamos que o simples respirar é fundamental para nós. Só quando sentimos falta de ar, é que ficamos preocupados com isso.

    Sobre as vidas que se cruzam umas com as outras, costumo compará-las às viagens de comboio. A nossa vida é uma viagem de comboio com destino da Felicidade, umas vezes encontramos pessoas em certas partes do trajecto, que entram e saiem, mas o comboio não pode parar...

    Tal e qual como eu escrevi aqui:
    http://gimbras.nofuturo.com/o-metro

    ResponderEliminar
  2. "Fico triste quando entendo que talvez tudo não tivesse a importância que lhe dei, o tempo que lhe dispendi, a atenção que atribui." Eu explico:

    Às vezes fazemos más escolhas e damos importância a coisas que não valem a pena. Acontece muito em relações amorosas nas quais o dar e receber têm de estar em equilíbrio.
    Ser cobrador é que não! Nunca devemos ter necessidade de pedir atenção, deverá ser dada naturalmente. Quando temos de a pedir é pq algo já está a correr menos bem!

    Verdade, os nossos sentidos são um bom exemplo de como desvalorizamos o que consideramos como garantido.

    ResponderEliminar
  3. É bonito aceitarmos tudo o que fez parte da nossa vida, como parte dela. :) A vida passa por imensas etapas. Penso muito nisso, como exemplo da minha. Por vezes, há pessoas que aparecem, e ficam, outras vezes as pessoas aparecem e saem da nossa vida. Na primeira hipótese, são aquelas pessoas que escolhemos que fiquem, por um ou outro motivo. Eu gostod e escolher a dedo as pessoas que fazem parte da minha. Na segunda, são aquelas que apareceram num momento em que precisavamos delas, mas depois não se criam laços suficientes para que se mantenham. No entanto, tiveram a sua importância na mesma, naquele momento. É assim que eu penso.

    ResponderEliminar
  4. Tens toda a minha atenção minha pequenina :)

    Quanto ao que escreveste, é um tema que tem realmente muito que se lhe diga!
    Digo apenas que as pessoas são diferentes, tal como a sua forma de se relacionarem! E ai é que está a dificuldade!
    O que para um tem imenso valor, para o outro pode não valer nada!

    ResponderEliminar
  5. Concordo quando dizes que só se manda vir com quem gosta de nós, em vez de mandarmos vir com quem merece mesmo.

    Parece que os amigos são usados como sacos de pancada.

    Não acho que se deva ir "enchendo o saco" e explodir quando já não se contem mais. Penso que, quando vemos algo que não está bem, devemos chamar a atenção.

    Isso não é incomodar ou ser chato, é a forma de pôr as coisas no seu sítio certo.

    ResponderEliminar
  6. Lia: a vida passa por etapas ou ciclos todos eles com objectivos e motivos específicos.
    Existem algumas pessoas que passam na nossa vida sem que as tenhamos escolhido, são impostas por alguma situação tipo escola ou trabalho. A questão é mesmo essa, existem pessoas que se cruzam connosco num determinado momento, não as escolhemos, mas que, tal como todas as outras pessoas que escolhemos, têm o motivo para estar ali, para nos encontrarmos nem que sejam uns míseros segundos.
    Tem alturas que não lhes damos valor, não ligamos aos seus ensinamentos, ao motivo para estarem ali na nossa vida naquele momento mas que fazem diferença.
    (este é um assunto que dá pano para mangas...) :)

    Elisabete: tu minha flor, foste uma boa surpresa num ano que se adivinhava difícil. Não foi por mero acaso que te conheci um dia antes da minha vida desmoronar, tu tinhas que estar presente e ajudar-me, apoiar-me da forma magnífica que fizeste!
    O valor das pessoas é único. Tem alturas em que as valorizamos mais ou menos mas o valor delas é sempre o mesmo. Temos é que abrir mais os olhos e aproveitar todos os que cruzam na nossa vida.

    ResponderEliminar
  7. Gimbras: creio que somos menos delicados com quem nos é próximo por culpa da nossa mania de acharmos que são garantidos e que podemos fazer tudo e mais alguma coisa que estarão sempre ali. E também porque são pessoas que nos dizem algo, falamos logo o que nos incomoda.
    Com as outras pessoas, ponderamos mais se vale ou não a pena perdermos tempo.

    ResponderEliminar
  8. É bem verdade, todas as pessoas que se cruzam na nossa vida, de uma forma ou de outra vão ajudar a moldar a nossa personalidade e influenciar as nossas acções...
    Ás vezes é prefiro não pensar que as coisas tem um início e um fim, mas sim que mudam...
    beijinho

    ResponderEliminar
  9. Que lindo post e discussao nos comentarios.

    A amizade e' um sentimento que penso ser subvalorizado ou entao um dos maiores tabus da sociedade. A verdade e' que quando se perde um grande amigo, o sofrimento pode ser ainda maior do que o fim de um relacionamento amoroso.

    E concordo plenamente com o sentimento de frustracao "lutei tanto, dediquei-me tanto, para isto?" Percebo que utopicamente se deva dar sem esperar nada em troca, mas as vezes as pessoas deixam-nos sem explicacao e e' dificil engolir sem sentimentos de amargura...

    O que eu gostava mesmo era de ter a sabedoria de perceber que amizades estarao sempre la e quais, apesar de parecerem para a vida, se finarao... Ao menos assim o meu coracaozinho ficaria mais resguardado. E' que sofrer com o fim de uma amizade doi muito e nao e facil falar ou encontrar compreensao para essa dor nos outros.

    ResponderEliminar
  10. Pedro F.: sim, não deveremos pensar nas coisas com um início e um fim até mesmo para não entristecermos. Mas não podemos esquecer dessa hipotese mais que não seja para aproveitarmos melhor as pessoas que cruzam connosco nesta vida.

    Travellersoul: antes de mais muito obrigada pela visita!
    A amizade felizmente é um tema que motiva as pessoas à argumentação. E adoro que participem!
    Tens razão quando dizes que a amizade é subvalorizada. Hoje é tudo demasiado momentâneo e poucas são as amizades que perduram no tempo.
    Não podemos esquecer que quando termina um relacionamento amoroso perdemos o nosso maior amigo e isso é demasiado doloroso.
    Ainda bem que entendes o sentimento de frustração, não quis parecer ingrata nem ser mal interpretada quando o escrevi. Esperamos sempre alguma coisa em troca senão torna-se uma relação de apenas um sentido.
    Era bom sabermos que amizades valem a pena ou não, não perderiamos tanto tempo com pessoas que não o merecem mas lá está, perderíamos também o conhecimento que todas essas pessoas nos trasnmitem, bom ou mau. Elas passam todas pela nossa vida por uma razão...

    ResponderEliminar
  11. És a amiga no verdadeiro sentido da palavra, a marca que deixas é para a vida

    ResponderEliminar