Será um bom ano

Acho que é o primeiro ano, em toda a minha vida, que estou a fazer resoluções para o ano novo. Creio nunca ter sentido esta necessidade, nunca vi o início do ano desta forma, sempre considerei que mudanças podem e devem ser feitas em qualquer altura mas nesta última semana dei por mim a pensar que talvez seja mesmo boa ideia marcar o dia 01 de Janeiro como o primeiro dia de muita coisa, boa, prioritariamente e de preferência.
Já houve imensa coisa que alterei neste final de ano, imensa até. Pensamentos, formas de estar mas desejos esses estou a deixar para o novo ciclo que vai iniciar. E acredito, com muita força, que será um bom ano. Sinto em todo o meu ser que há muita coisa a caminho, muitas mudanças e muitos momentos pelos quais já venho a desejar há muito tempo.

Talvez a noite da passagem de ano não seja da forma como eu gostaria que fosse mas não irei deixar que isso afecte este meu positivismo.

2016, podes vir, estou à tua espera.

Madrugar para ginasticar

Eu consigo entender porque as pessoas fazem caretas e demonstram algum desagrado sempre que comento que acordo às 6h30m para ir ao ginásio. É verdade que custa, a minha cama como a vossa é maravilhosa (até acho que é mais, mas pronto), o certo é que, depois de estar fora da cama e vestido o equipamento é muito agradável, mesmo de inverno, sair ainda nem amanheceu em condições. Muitas vezes vejo o nascer do sol enquanto conduzo. Chegar as 8h30m da manha com o corpo bem acordado depois de umas aulinhas de jump ou de pump faz-me sentir orgulhosa e feliz pois é um desafio, é um compromisso que assumi comigo, é um disciplinar de corpo e mente completamente diferente. Contudo, o que mais ouço é 'tás masé maluca' ou então 'não bates bem da bola'. Claro que respondo sempre que quando chegar o verão vamos a ver quem é o maluco mas não entendo como a grande maioria acha assim uma tarefa tão impossível de concretizar acordar cedinho para esticar os músculos. Se soubessem a gratificação, o bem estar, o prazer que é aproveitar a manhã desta forma nem diriam nadinha. 
Ir ao ginásio ao final do dia é que me irrita. Tanta confusão, tanta gente, nem dá para treinar, temos de ficar à espera pela máquina ficar livre, os balneários à pinha...enfim, não me agrada. E confesso que esperava que o ginásio estivesse bem mais vazio do que o encontro todos os dias. São muitas as alminhas que se erguem da cama cedinho e praticamente são sempre as mesmas, já parecemos um grupo solidário que se entre-olha como quem diz 'eu entendo teu esforço'. Mas compensa, em vários sentidos. A quem acha loucura desafio a experimentar, não uma vez, mas pelo menos uma ou duas semaninhas. Vão ver a diferença, não no corpo mas no espírito.

Procuro casa e não está fácil

Foi 4 anos que publiquei a primeira vez que andava à procura de casa. Era a primeira vez que me ia aventurar sozinha, e verdade seja dita, tive um piço do caraças pois não demorou muito a encontrar através de uma seguidora do blog que arrendava uma casa na minha zona e que estava prestes a mudar-se.
Em poucos meses estava com a chave na mão e um cagaço desgraçado. Mas lá consegui e lá estou. A casa é porreira, agradável, não muito antiga e até mimosinha. Contudo, nem tudo tem corrido muito bem. A senhoria, que andou todo este tempo caladinha, decidiu que quer aumentar a renda em 40€ de uma hora para a outra. Acham normal?!? Já discutimos, já tentamos acordar alguma coisa mas falar com ela ou com um penedo é igual e assim avista-se uma mudança. Contudo, não é para muito breve. 

Arrendar um apartamento sozinha não é nada fácil, as rendas estão altíssimas!! Que se passa? Mas todos acham que andamos aos pares? Há malta que vive sozinho, povo!! Há malta que paga as contas sozinho e pisar nos calos dessa forma não ajuda a nada! Como é? São casas super antigas, com um aspecto deveras desagradável que nem um balde de tinta ajuda e a renda é astronómica. Andam todos tolos?

Todos os dias vejo uma carrada de anúncios e todos eles a mesma coisa. Tem sido uma desilusão diária e não sei mesmo como desatar este nó! É que não estou para ter a senhoria a buzinar-me as orelhas todos os meses mas se tiver de ser é aguentar o frete até o milagre acontecer.

Não sei se isto tudo tem algum significado maior, não sei o papel desta mudança forçada na minha vida mas não tem sido agradável estar no limbo, estar sem a minha segurança, no risco de perder a minha casa, o meu refúgio. Já não me sinto em casa e é triste. 

Ola malta,

o Natal está quase aí, o ano novo também e com eles a vontade de fazer novas coisas.
Tenho para mim que 2016 será um bom ano mas temos que fazer por isso, não apenas sentar e esperar.
Dei por mim a pensar que gostava de começar a fazer novas actividade. A única que tenho são as aulas no ginásio mas essas são de manhã cedo, contam mas não da mesma forma. Queria umas actividades para o final do dia e fins-de-semana mas faltam-me ideias.


Alguém conhece actividades livres, porreiras que se possam fazer cá pelo Porto?

Borbulham vontades de mudança

O que devemos fazer quando o sangue que nos corre nas veias ferve, ansiando por uma mudança positiva, por algo espectacular, por novidades, por momentos únicos?
O que devemos fazer quando tudo em nós grita por um amanhã diferente? Quando nossos sonhos nocturnos se transformam em desejos, vontades, reconstruções de pensamentos diários?
Que passo tomar principalmente quando todas essas emoções acontecem nos piores momentos, quando não nos podemos mexer nesse sentido?