Filosofando

Ao ler um texto num blog acerca de um professor de filosofia lembrei-me que ontem à noite, enquando me deitava, tive uma sequência imensa de pensamentos que finalizaram na recordação do meu professor de filosofia da escola secundária. Era hilariante. Tinha um ar sério que escondia umas covinhas muito engraçadas que fazia no rosto quando sorria de gozo, um bigode assim farfalhudo, barriga proeminente e tresandava a bagaço logo pela manhã que era uma coisa maluca.

Antes mesmo de ser meu professor, havia sido professor da minha irmã portanto já tinha ouvido falar dele. Era um engraçado. Como gosto de filosofia, de indagar, de criar cadeias de pensamentos e reflectir sobre eles sempre com um sentido lógico, adorava as aulas dele pois ele era assim. Pouco falava, atirava assim umas quantas coisas para o ar e discutiamos sobre o assunto. Um porreiro que nos deixava levar o livro para os testes. Ele sabia bem o que queria de nós, não eram transcrições do livro mas interpretações e eu sabia faze-las muito bem. Tinhamos empatia e isso era bom para mim. Como morava relativamente próximo de minha casa várias vezes fomos juntos no autocarro, e daí conheci a sua faceta mais descontraída.

Era tio de um vizinho meu, coincidências à parte. E realmente tinha tudo a ver, pensavamos nós... Quando o conhecemos e soubemos do grau de parentesco com nossos vizinhos eis o que aconteceu.

Minha irmã:
-Não sabia que era teu tio mas depois de o dizeres realmente percebo, é mesmo muito parecido com o teu pai, o bigode e tudo!

Ao que meu vizinho responde:
-Sim...mas ele é irmão da minha mãe!!!

Quem terá ficado mais envergonhado?!?
Como seria possível, questionamos nós, que a mãe desses nossos vizinhos tivesse casado com um homem completamente parecido com o irmão?!? Um pensamento assustador, certo?!?

Infelizmente já faleceu, ainda novo. Mas recordo-o sempre com esta situação caricata.

13 comentários:

  1. É sempre bom quando recordamos alguém com situações e momentos bons e que nos marcaram :')

    ResponderEliminar
  2. Também tenho professores que marcaram e sempre irão marcar, mas convem qe seja por bons motivos :D

    ResponderEliminar
  3. Olá!
    De facto é uma questão interessante. Para ter casado com alguém tão parecido com o irmão ou tinha uma muito boa relação com o irmão ou tinha ausência dele... e o irmão não seria parecido com o pai? Entramos no campo da análise psicológica o que daria uma tese...
    Também tive na secundária um professor que me marcou de forma parecida. Era professor de Português e declamava Fernando Pessoa com uma teatralidade fantástica. Amava poesia, e andava sempre bêbedo...
    Beijinho

    ResponderEliminar
  4. Sílvia: sem tristeza, é uma boa recordação.

    Vanessa.: muito bom. Também quero ser lembrada assim.

    Nês: sim!!! Convém...mas tenho algumas recordações menos boas de alguns professores...

    loxodonta: ola, obrigada pela visita.
    Na altura também levantamos essa questão. Casar com alguém tão parecido com o irmão leva a pensar muita coisa!
    Esse teu professor de português declamava poesia assim porque estava bêbado não?

    ResponderEliminar
  5. Pois... provavelmente... mas era bom na mesma ouvi-lo.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  6. Estava a brincar.
    De certo que seria extraordinário ouvi-lo. Há pessoas com muito talento para declamar poesia.

    ResponderEliminar
  7. Tive um prof de filosofia que deitava muitos gafanhotos a falar. Era preciso um guarda-chuva cada vez que se fala com ele! lol

    ResponderEliminar
  8. "Hilário" é uma palavra do Português do Brasil que não existe no nosso Portugês. Cá, é um nome de uma pessoa.

    "Hilariante", esse sim é o adjectivo indicado para descrever alguém divertido e que nos faz rir.

    Deve ter sido fixe ter tido um Professor de Filosofia que fizesse a turma rir.

    ResponderEliminar
  9. Gimbras: pois...espero que o Hilário não se importe então!
    Obrigada pela correcção!

    ResponderEliminar
  10. O Hilário é bom rapaz e joga no Chelsea a guarda-redes. :)

    ResponderEliminar