O peso da alma

Ontem, numa conversa deveras interessante, disseram-me um facto que desconhecia. Pelos vistos, e a ciência comprova-o, quando morremos o nosso corpo fica 20gr mais leve. Alguns acreditam que se trata do peso da vida a abandonar o nosso corpo ou peso da alma ou da consciência que se liberta. Verdade ou não, não deixa de ser algo agradável de pensar-se, não na morte como é evidente, mas na existência da alma, na hipótese de que podemos não ser apenas matéria e que o brilho que trazemos no nosso olhar transcende o palpável. Algo existe em nós que nos faz ser quem somos. Gosto de pensar que não somos apenas cérebro ou mente, que as emoções que carregamos, o nosso eu, não se limitam ao que apenas vemos e ao que a sociedade pensa que define-nos. Uma visão talvez demasiado romântica da existência mas que, quando transportada para os nossos relacionamentos, connosco e com e os outros, faz uma grande diferença.
Aproveito, assim, para hoje dizer olá aquela pessoa que nunca me abandonou e nunca me abandonará, que fará para sempre esta caminhada comigo e com quem poderei contar sempre: EU!

6 comentários:

  1. Sobre este tema, aconselho-te vivamente a veres um filme fantástico com Sean Penn e Naomi Watts: «21 Gramas», de Alejandro González Iñarritu. Se quiseres ler uma crítica ao filme, fica aqui o ´link' que poderás copiar:

    http://7arte.net/cgi-bin/c_critica.pl?id=Joaquim%20Lucas-02006

    Beijo.

    ResponderEliminar
  2. Também gosto de pensar dessa forma!
    Acredito até que quando não estamos bem é talvez porque o nosso corpo não está devidamente ligado à nossa alma, havendo ali certos desencontros.
    Quando os dois estão em completa sintonia estamos no nosso melhor!

    ResponderEliminar
  3. Completa sintonia?!? Será mesmo possível? Hmm...

    ResponderEliminar
  4. Gosto de acreditar que sim!
    Não estou a falar em perfeição, nada o consegue ser, mas naquela sintonia que nos faz estar bem!

    ResponderEliminar