Voa, tempo...

.

O tempo hoje não passa. Olho para o relógio e o ponteiro não se move.
A ânsia de sair de onde estou, a vontade de respirar ar puro, de ver gente, de falar, de estar com o mundo estão a atormentar-me. 

Quem inventou estas amarras da sociedade? Quem foi o grande génio que, um dia, lembrou-se que tínhamos que perder a nossa vida presos num local durante metade do nosso dia? Perder as coisas boas e que realmente importam como estar com os nossos, como divertir e passear, como ser feliz? 
Cada vez mais convenço-me que fui feita para cavar batatas! Ai fui sim!

Sem comentários:

Enviar um comentário