Mudar de cidade

Preciso, com alguma urgência, de mudar de profissão e estou a ponderar seriamente mudar de cidade se verificar-se que, onde vivo, não há possibilidade de melhoria.
Nunca foi muito aventureira no que toca a mudar-me sozinha para longe e enfrentar mundos novos. Sempre estive muito protegida e com os pais por perto como garantia de um porto seguro para todas as vezes que meu mundo desaba. Mas, agora, tenho que fazer sacrifícios e sair da minha zona de conforto. É mesmo necessário mudar pois o que tenho não chega.

Dou por mim, muitas vezes, a pensar ir para fora. Mas seria uma mudança demasiado radical, o receio toma logo conta de mim e a adrenalina fica a bombar.
Mas o cerco aperta, as dificuldades também e não estou a ver outra hipótese. Vou ter mesmo de arrumar as tralhas...

Até fico com as lágrimas nos olhos só de pensar nisto. Mas talvez seja a solução que eu procuro para a minha vida ir para a frente. 

Precisava tanto de uma luz...

6 comentários:

  1. Olá Sílvia. Apesar de as vivências e necessidades serem diferentes, deixo-te aqui o meu caso. Não sei se servirá de empurrão, mas espero que te faça pensar um bocadinho. Tinha 19 anos quando acabei o secundário e preparava-me para ir para a faculdade. Um dia, por mero acaso numa daquelas feiras de fim de ano onde todas as faculdades tentam "recrutar" e apresentar-se aos finalistas, encontrei uma instituição chamada Campus France que estava ali a apresentar as faculdades francesas. Apesar de me ter já candidatado ao ensino superior português, ousei e enviei um dossier de candidatura para a universidade da Sorbonne em Paris, onde estou hoje. A candidatura foi aceite, depois de imensa luta, e em agosto desse ano, fiz as malas, sozinha, e vim para Paris. Quatro anos depois olho para trás como se tivesse sido uma louca. Saudável, mas louca. Deixei para trás a família, a cidade, os Amigos. É muito, muito, muiiito difícil emigrar ou mudar sozinha. Custa, dói. Mas as aprendizagens que retiras dessa solidão e dessa luta são inigualáveis. Tudo o que consegues, cada obstáculo que ultrapassas, deves-o a ti e só a ti. Apesar de todas as lágrimas que derramei desde que vim para aqui, não te consigo dizer o quão orgulhosa estou da minha decisão. Mudar, mudar, mudar deve ser sempre o objetivo. Quer dizer que estamos vivos e que temos objetivos. Podem não ser metas muito concretas, mas o objetivo de ser feliz está lá. E há que percorrer tudo o que está ao nosso alcance para conseguí-lo, mesmo que isso implique uns quantos quilómetros. Força.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É um excelente exemplo de coragem, não haja dúvida e obrigada pela partilha.
      Eu percebi pela tua página que tens ligações a França, não? Isso não tornou a decisão ligeiramente mais fácil? Não era um território completamente desconhecido pois não?
      Pergunto porque sou mesmo uma 'cagona' :) E também porque sou um bocado mais velha...

      Eliminar
    2. Nasci aqui, mas nunca cá voltei desde os meus quatros anos (sem ser de férias e era criança). Apesar de saber logo à partida um pouco da língua (e sei o quão isso ajuda), não conhecia Paris sem ser de passagem muitos anos antes. O facto de ter "escolhido" Paris foi por sentir segurança com a língua, porque de resto não tinha mais nenhuma ligação com esta cidade. O meu namorado foi em setembro para a Alemanha, sem saber falar a língua e sozinho, e foi um choque nos primeiros dias mas está a adorar a experiência.
      É normal o medo. Sem ele, nada disto faria sentido. Mas é ele também que nos faz dar o passo em frente. Cada passo e conquista será tua e só tua. E isso sabe tão, mas tão bem. Aventura-te!

      Eliminar
    3. Mas para trabalhar é sempre bom conhecer alguém no país para o qual vamos até para saber as condições. O teu namorado foi trabalhar e mandou-se sem conhecer ninguém? Desculpa as perguntas mas é bom obter informações de alguém que está a viver a experiência e agradeço-te a ajuda.
      E sim, o medo faz-nos mexer mas no meu caso também paralisa-me..Mas a aventura gostava muito de a ter! Ai se gostava

      Eliminar
  2. O meu namorado foi fazer o mestrado, o que acaba por ser, outra vez, diferente da tua situação. E sim, mandou-se para lá sem conhecer ninguém.
    O meu conselho é meteres "em cima da mesa" o que queres fazer, antes de mais. Trabalhar em quê sobretudo. Depois é pensares nas línguas em que te sentes mais à vontade. Depois é pegar num mapa e pesquisar, felizmente a Internet têm tanta informação disponível. Aconselho-te a procurares blogues de pessoas portuguesas que emigraram para trabalhar (há por aí alguns), serão certamente óptimas em dar-te conselhos (falo por mim, adoro ajudar aqueles que querem ousar e aventurar-se, acho que está no sangue de todos aqueles que já o fizeram, tentar ajudar o próximo) ;)

    ResponderEliminar