Carta a ti

Hoje queria que pegasses em mim e fossemos dar uma volta ate ao fim do mundo. Voltar apenas quando nos sentíssemos cansados e esgotados da viagem, mas não um do outro. Isso nunca!
Queria ver paisagens contigo! Queria ter a tua mão a agarrar a minha e dizer a todos 'somos um, somos felizes.'
Gostava de te ter, de te ouvir, de roçar meu nariz no teu rosto e sentir a tua pele e o teu cheiro. Mesmo no fim do mundo iria sentir-me mais protegida, mais segura e mais feliz pois estarias ali comigo e o teu abraço seria a certeza que nunca me abandonarias. Poderia contar contigo para sempre.
Sabes, nem sei bem porque te escrevo já que o faço há tanto tempo e ainda não me disseste nada. Continuo a dizer a falta que me fazes e como seria importante estares aqui ou além, mas comigo, junto a mim. Escrevo-te desde sempre, desde que me conheço e que vi que me faltavas. Escrevo-te cartas de amor, de ódio, com promessas, alegrias e tristezas. Escrevo-te de forma continuada num silêncio quase que ensurdecedor sem uma resposta tua que me diga que estás por perto e que vens ao meu encontro. Mas escrevo-te porque preciso que o saibas que aqui estou e que tenho uma saudade por ti que não se esgota nem desaparece. Se há dias em que me esqueço de ti e passo bem sem ti, outros questiono-me por onde andas, se pensas em mim, se sentes a minha falta e se me procuras como eu a ti. 
E se tem dias que acho que sim, tem outros que penso em ti tão bem com a vida que nem sequer dás por minha falta e por isso não me respondes. Talvez seja a esperança nos seus altos e baixos ou talvez seja o coração a esfriar e a endurecer para melhor se preparar nesta viagem sem ti...

Com carinho
SM

5 comentários: