Procuro-

-me



Como descobrir quem realmente somos?

Desde que nascemos e começamos a adquirir e a absorver conhecimentos ninguém nos diz que temos a capacidade de mudar a nossa vida, o nosso pensamento. Somos levados a crer que estamos dependentes da sociedade, das normas e regras que nos injectam olhos e ouvidos adentro sem questionar. Só a partir de determinada idade começamos a reflectir sobre determinados comportamentos de nós mesmos para nós mesmos e para os outros e por vezes é preciso muita coragem para assumir que somos algo diferente, principalmente quando essa descoberta acontece ainda na infância ou na adolescência, períodos nos quais valorizamos demais a opinião dos outros e nos regemos pela mesma. Ninguém disse que crescer é uma tarefa fácil, muito menos crescer numa luta constante por sermos o mais próximos de nós mesmos e menos aquilo que os outros querem e esperam que sejamos.

Deixarmo-nos ir pelo que os nossos pais, amigos e pessoas próximas esperam de nós é caminhar num sentido onde muitas vezes vamos questionar quem somos, o que somos, qual o nosso objectivo e propósito.

Na verdade, temos que cometer erros para descobrir quem NÃO somos. Realizamos as nossas acções e o nosso interior segue-nos e o que acontece é que não pensamos o nosso caminho que leva-nos a ser nós mesmos.

É fundamental encarar todo o tipo de mágoa e raiva que ainda estejam por resolver, um tipo de sentimentos muitas vezes camuflado de compulsividades, excessos de energia e actividade, formas de nos mantermos ocupados física e mentalmente por modo a não pensarmos no que nos consome e preocupa. Neste estágio, é importante encontrarmos um caminho, e se possível alguém que nos ajude a lidar com essa raiva e mágoa pois o caminho poderá não ser fácil. Lidar com a dor e a raiva ajudar-nos-à a crescer e devolver-nos-à vida. Acredito que a partir daí fique mais fácil sonhar, planear e viver o presente sem ressentimentos do passado e medos do futuro e ficarmos o mais próximo possível de quem realmente somos mesmo que isso signifique ser diferente do resto.

Sem comentários:

Enviar um comentário