Uma questão de sintonia

Eu bem sei o quanto fica difícil, grande parte das vezes, acreditarmos que melhores dias virão, que tudo poderá melhorar ou que voltaremos a sentirmo-nos bem. Também tenho dias assim em que contornar a questão da frustração ou da infelicidade parece mais a missão impossível (mas até essa é contornável no filme!!!). No entanto, mesmo nesses dias, o que às vezes contribui para mais frustração ainda, sei que só posso apontar o dedo a uma pessoa por tudo o que estou a sentir e a vivenciar e que só uma pessoa tem o poder de fazer-me sentir melhor e mais feliz: eu mesma!
Eu sei, eu sei, nos dias em que estamos mesmo lixados o que menos queremos é ouvir palermices de 'pensamento positivo' ou coisas do género. Nossa falta de fé e o cansaço chegam a extremos que qualquer final do mundo parece mais interessante que o dia que decorre. Mas por mais que custe ouvir as palermices e por mais que custe acreditar nelas, o certo é que o nosso pensamento está a moldar cada momento que se segue e quanto pior nos sentimos mais maus sentimentos estamos a atrair para nós. É assim que tudo funciona, desde sempre e para sempre.
Os nossos sentimentos são o nosso maior aliado para sabermos que energias e pensamentos estamos a emitir. Se nos sentimos mal, tristes, frustrados, cansados, é isso que transmitimos, é nessa frequência que estamos e é isso que vamos receber de retorno. Em contrapartida, sentimentos de gratidão, felicidade, calma, paciência, tolerância vão criar uma frequência boa e em retorno receberemos mais desses sentimentos que fazem-nos sentir bem. Por isso é tão importante, nos dias menos bons, em que sentimos que nada corre bem, em que tudo falha ou parece estar contra nós, pararmos por uns instantes e percebermos o que está a criar esse sentimento tão mau, desvaloriza-lo e substitui-lo por aqueles que precisamos de sentir. É simplesmente sintonizarmo-nos tal como fazemos com o rádio quando capta mal a frequência e não nos deixa ouvir aquela musica tão boa que desejamos e que percebemos entre o ruído...Cabe a nós tirar esse ruído das nossas vidas, para nós e para os outros, para a vida poder ser o que ela sempre foi, apreciável.
Aprendi um truque que funciona comigo quando sinto-me mais desgastada ou incomodada com a vida. Simplesmente olho-me no espelho, olhos nos olhos e sorrio para mim mesma, não de uma forma forçada, mas de um modo agradável, simpático, como eu gosto de sorrir e assim fico por uns momentos até perceber que meu olhar sorri também. Se sou maluca? Sou, sempre o admiti. Mas também sempre fui da opinião que os malucos, por viverem mais alucinados, são mais felizes...
E no final, não custa nada tentar...o que há mais a perder se achamos que o dia já corre mal? ;)

Sem comentários:

Enviar um comentário