For what is worth...

Dizer que sinto tua falta, que penso em ti, que lamento não ter oportunidade de conhecer-te melhor, de entranhar-me mais na tua vida e sentir-me mais tua...faz diferença?

Dizer que todos os dias voltaram a ser como eram antes de ti, sem ti, apenas eu e meus fantasmas como companhia...faz diferença?

Dizer que adormeço a pensar em ti e acordo a pensar em ti, como se ali estivesses, e ter a noção que a probabilidade de isso acontecer é quase igual a zero...faz diferença?

Dizer que não entendo como funcionas, como pensas, como queres a vida, como me queres, como te sentes e me sentes, como gostavas que fosse, o que gostavas de construir...faz diferença?

Dizer que nunca sei se posso ligar, se posso falar, o que posso dizer, se posso dizer que gosto de ti, se vais gostar de saber que gosto de ti, se queres que diga que gosto de ti, se é recíproco...faz diferença?

Verbalizar faz diferença?

4 comentários:

  1. Este post é muito pessoal (na minha opinião) mas diz tanto! Quem te conheço quase que consegue visualizar-te a verbalizar isto!

    São questões que nos passam pela cabeça principalmente no ínicio de algo, na relação entre duas pessoas, que surgem quando não sabemos se devemos investir ou por outro lado recuar. Que surgem por insegurança quando não queremos voltar a sofrer... E sei (acredita que sim) o quanto magoa...
    Mas vai correr bem, acredito sinceramente que sim!

    (Espero ter interpretado bem o teu texto...)

    ResponderEliminar
  2. Todos os meus post são muito pessoais,são os meus pensamentos... ;)
    Eu sei que existem questões no início de tudo, e é verdade, quando não queremos voltar a passar por determinadas coisas as questões multiplicam-se. Tornamo-nos mais precavidos... ;)

    ResponderEliminar
  3. Faz, faz toda a diferença, Sílvia. Para o bem ou para o mal. Mais que não seja relativamente a ti.

    Um beijo.

    ResponderEliminar
  4. Sim, diferença fará sempre, para o mal é que não seria a intenção...

    ResponderEliminar