Auto-sabotagem

Já ontem estava um pouco assim e hoje continua. Uma preguicite aguda a 3D. Mas eu sei o que significa esta preguiça, é o receio a instalar-se no meu corpo, mais uma vez, uma forma de tentar fazer-me recuar ou até mesmo desistir para não falhar e sentir-me uma desgraçadinha.
Mas desta vez vou até ao fim nem que seja para saber como termina porque isto de ficar com estórias pela metade não tem assunto.
Tem de ser desta apesar de tudo parecer-me um enorme desafio por todas as razões e mais alguma. Apesar de tudo sinto que estou a trepar esta parede sozinha e tem alturas que este sentimento alimenta o receio. A dúvida instala-se, as perguntas bombeiam na minha mente e as respostas não chegam.
Engraçado como se consegue sentir tão forte num momento e tão fraca noutro mas isto é típico meu, de quem tem um pavor imenso à mudança, de quem construiu a sua zona de conforto rodeada de arame farpado e conseguir sair de lá parece-me doloroso. Tem alturas em que vejo a mão estendida do outro lado a pedir-me para arriscar mas tem outras que essa mão desaparece e questiono se devo sair mesmo assim. Provavelmente o resto do mundo acha que sim, e dirá que sim que devo fazê-lo. E eu sei que sim, a vida é curta, deve ser aproveitada e correr riscos faz parte da aventura. Pode ser que com isto deixe de ser tão medricas! Pode ser...

4 comentários:

  1. E dizem os psicólogos, para quem acredita em tais charlatães, que sair da zona de conforto é a única forma de a conseguir expandir.

    ResponderEliminar
  2. E têm razão esses danados! Vou tentar expandir a minha! ;)

    ResponderEliminar