Sou exemplo disso...


Ninguém nos aconselha tão mal como o nosso amor-próprio, nem tão bem como a nossa consciência
fonte: "Máximas"

13 comentários:

  1. Faz pensar... mas acredita que fiquei confusa, acho que tenho que pensar um pouco mais... ;)

    ResponderEliminar
  2. Bolas...mas dá assim tanto que pensar?!?

    ResponderEliminar
  3. Estava a tentar descortinar se era mesmo o amor-próprio que nos engana ou nem tanto assim. Pode ser que hajam pessoas cujo o amor-próprio seja bem domesticado, a espaços, pela consciência.

    Mas a máxima é capaz de ser bem verdade. :D

    ResponderEliminar
  4. Amor-próprio domesticado...será bom ou mau?

    ResponderEliminar
  5. Mau é controlá-lo demais! Se a nossa consciência o controlar demais para não errarmos... entramos noutro erro. Que é o de nunca confiar no nosso amor-próprio.

    ResponderEliminar
  6. Quando sabemos que temos amor-próprio q.b.?

    ResponderEliminar
  7. Quando? Quando temos amor por nós mesmos, quando nos amamos e começamos a querer amar e ser amados por outros, tomando decisões baseadas no coraçao, mas também tendo a frieza para as sustentar com bases lógicas da razão que é, no fundo, a nossa consciência.

    ResponderEliminar