Será assim tão linear?


É que se for, creio necessitar de um curso técnico para entender como funciona essa porra!


10 comentários:

  1. pelo que tenho visto não é assim tão claro!

    ResponderEliminar
  2. Yes we can!
    para mudares de vida ou de rumo, basta tu queres e fazeres por isso!
    Esta é a expressão que mais gosto de ouvir que vem do filme Matrix e que diz basicamente tudo!

    Don't think you are, know you are.

    ResponderEliminar
  3. Ju: inscrevemos-nos as duas no curso? ;)

    Paulo Nunes: gostei imenso da frase, só dizê-la parece ter uma força motivacional muito forte. Obrigada por a partilhares.

    ResponderEliminar
  4. Ainda hoje escrevi sobre isso. Acredito que podemos mudar a nossa, sim, claro. Mas não acredito que possamos ser ou ter tudo o que desejamos. Não me parece que isso seja assim tão linear.

    ResponderEliminar
  5. One day at a time. As simple as that :)

    ResponderEliminar
  6. Ana: mas o que separa o conseguir alguma coisa do conseguir tudo? Crença? Ou simplesmente é impossível o tudo?

    The Q Man: paciência é uma virtude e estou a conquista-la :)

    ResponderEliminar
  7. Sílvia, eu acho que a crença só não chega, temos de nos mexer, de arregaçar as mangas. A não ser que tenhamos um rasgo de sorte e as coisas nos venham parar às mãos, o que também acontece. Agora o "tudo" já me parece utópico. Podemos ter o nosso "tudo", desde que esse tudo seja realista, mas nem tudo depende apenas de nós, da nossa vontade, do nosso esforço, da nossa garra. É o que eu penso.

    ResponderEliminar
  8. Ana, se calhar não me fiz entender bem. Crença não foi no sentido de fé mas em acreditar em nós mesmos, na nossa capacidade de o conseguir. Claro que sei que apenas fé não chega para conseguir, era ridículo permanecer sentado à espera de um milagre. Mãos à obra! Minha pergunta foi mesmo no sentido de tentar entender porque acreditamos que conseguimos conquistar apenas uma parte mas já não conseguimos acreditar que seja possível o tudo. Onde começa e termina esse limite da nossa crença em nós mesmos?

    ResponderEliminar
  9. Sílvia, eu percebi, não interpretei a crença como fé (até porque não sou nada dada a essas coisas de religião), mas sim no sentido de acreditarmos em nós próprios. Mesmo assim, na minha opinião, acho que não chega. Eu posso ter muita confiança em mim mesma, acreditar nas minhas capacidades para uma série de coisas - e aqui estamos a generalizar, claro - mas tenho de ter noção da realidade. Posso acreditar e lutar por coisas que estão ao meu alcance, mas nem tudo depende apenas de mim, da minha vontade, da minha capacidade de luta. Penso que esse é o limite entre uma parte e o tudo, é saber distinguir entre o que depende de nós, da nossa garra, e o que está para além disso.
    Um exemplo muito simples: o amor. Não chega acreditarmos muito em nós mesmos, não chega termos muita vontade de lutar, não chega o empenho, a garra, a dedicação e etc. Se a outra pessoa nunca sentir o mesmo, não há nada a fazer. Não depende só de nós.

    ResponderEliminar
  10. Comummente pensasse que fé está relacionada apenas com religião mas não. Ter fé significa acreditar verdadeiramente em algo sem necessidade de prova física que existe.
    Concordo com a tua posição em vários aspectos e quando faço as minhas perguntas são mesmo actos de reflexão para tentar entender o que nos diferencia uns dos outros. Porque, na minha opinião, a linha da crença separa-nos e muito. Há pessoas com uma crença tal em si mesmas que parecem conseguir derrubar montanhas.
    Entendo quando dás o exemplo do amor, é um bom exemplo de como não é possível conseguir tudo pela dependência do estado do outro ou da sua livre vontade. E ainda bem que ela existe, não é?
    No que diz respeito ao que depende de nós, gostava imenso de conseguir aumentar a minha auto-crença :)

    ResponderEliminar