A morte

Nestas alturas a minha mente tem pensamentos pouco ou nada normais. Das primeiras coisas que penso é "que sorte...tiveste coragem...já passaste por isso...". Assusta-me imenso não saber o que acontecerá, o que serei eu, para onde irei. Não quero que me magoem, não quero sofrer, não quero sentir angústia nem medo, nem estar assustada. Talvez esteja a pedir uma coisa comum. Calma e sossego é o que todos vão desejando, talvez também assustados como eu, mas eu desejo ainda mais. Porque cheguei sozinha partirei sozinha e na mesma assim a solidão é algo que me amedronta e me faz imensa confusão.
Não vivo a pensar nisso mas sempre que me confronto com ela imediatamente sinto por dentro uma espécie de inveja por quem a enfrentou, por quem já passou por ela e com ou sem medo, lá conseguiu. Eu também conseguirei, eu sei, serei forçada a isso, mas não o queria, pelo menos não da pior maneira por respeito a mim, ao meu corpo, a quem eu sou, aos meus sentimentos.
Não queria que chegasse esse dia sem ter antes a certeza que ficaria bem e que tudo iria correr bem. Nem na morte eu queria perder o controlo...