Lei do Cosmos

Publiquei este texto em 06 de Agosto de 2007, quase a fazer 7 anos, e ainda hoje mantenho esta linha de pensamento. Numa revista ao passado, decidi traze-lo para o presente, numa afirmação de mim, das minhas bases e do que permitiu a criação do meu registo diário.

A Lei do Cosmos

"(...) Tudo o que acontece neste mundo passa por alguma coisa, e não apenas porque sim. Um acto, por mínimo que seja, desencadeia uma série de reacções no mundo. (...) O que acontece é que o homem geralmente se deixa vencer pelas circustâncias. Vê-as como obstáculos inamovíveis perante os quais nada pode fazer, e não há nada mais falso do que isso. (...) A confusão vem do facto de o homem tomar como verdade coisas que não o são. A verdade nunca está fora. Cada um tem a capacidade de se comunicar consigo próprio, de encontrar a verdade. (...) No momento em que negar como verdade a realidade que o rodeia, encontrará a sua própria verdade e obterá paz.
(...) Se uma pessoa resiste ao sofrimento, este rodear-nos-á sempre. Se uma pessoa o aceitar como parte da vida, do todo, e o deixar entrar até esgotá-lo, ficará rodeado de alegria, de felicidade. (...) Toda a acção que realizamos repercute-se no Cosmos. Seria uma arrogância tremenda pensar que somos o todo e que podemos fazer o que nos apetecer. Somos o todo, mas somos um todo que vibra com o sol, com a lua, com o vento, com a água, com o fogo, com a terra, com tudo o que se vê e o que não se vê. E tal como o que está fora determina o que somos, assim também tudo o que pensamos e sentimos se repercute no exterior."


Laura Esquível in As Leis do Amor

Sem comentários:

Enviar um comentário