Assédio

Não quero com este texto gabar-me nem nada do género, apenas constatar factos.
Tem algum assédio como qual eu não sei lidar, incomoda-me e inclusive causa-me repugnância.
No café onde habitualmente paro com os meus amigos tenho de ouvir constantemente piropos e frases de galanteio por parte do dono. Já é assim desde que comecei a frequentar o espaço. Vou apenas porque meus amigos estão lá e porque tornou-se parte da rotina diária e até é agradável o convívio, caso contrário já teríamos abancado do sítio como já fizemos em anteriores cafés. Contudo, incomoda-me o facto de que, sempre que me apanha sozinha, o Sr. H. lá tem de dizer as suas frases do dia senão não descansa.
Logo nos inícios começou com uma conversa estranha sobre o casamento e como era difícil, sobre as saudades da vida de solteiro e coisas afins. Sim, ele é casado, a mulher trabalha lá no café e têm filhos, mas nada disso parece ser importante para ele. Na altura não valorizei a situação, poderia apenas ser um desabafo e calhou-me a mim a rifa de o ouvir. Mas com o passar do tempo fui percebendo que o que realmente se trata é de um homem que procura atirar o barro à parede a ver se cola. E cheguei a essa conclusão depois de um dia demonstrar o meu desagrado a uma amiga. Em conversa ela confidenciou-me que tinha acontecido uma situação muito desagradável com ela também com esse senhor, mas o caso dela ainda conseguiu ser bem mais grave, não só pela situação em si mas porque ela também é casada. Mas sem entrar em pormenores, percebi nessa altura que o que o homenzinho pretende é dar uma mijita fora do penico e vai tentando a sorte. Comecei logo a olha-lo de esguelha!
Frases como “você hoje está mesmo bonita”, “seu namorado é um homem de sorte”, “não sei como uma mulher como você está aqui sozinha, seu namorado deixa-a sozinha?”…e muitas mais são uma constante. Irrita-me e se há dias em que consigo ignorar e finjo que nem ouço outros quase que fulmino-o com o olhar. Hoje foi um dia desses. Tanto foi que depois veio ter comigo e perguntou-me se tinha ficado chateada. E é nestas alturas que fico aborrecida comigo mesma por não ter a lata de o desancar. Não o faço porque iria criar mau ambiente num sítio que vou diariamente. Seria para nunca mais lá por os pés e não é o que pretendo a curto prazo. O pior é mesmo mentir e dizer que não fiquei chateada pois na cabeça desse senhor deve achar que até gostei e ainda faz pior. “Não me leve a mal, é que é a mulher mais bonita que aqui pára e não sou só eu a dize-lo!” Ai meu Deus…o que é feito do respeito? Já não pode uma mulher estar solteira e até ir sozinha tomar o seu café sem ter de ser importunada com conversas da treta?
Para piorar a situação, este senhor consegue destratar a esposa (e ser mal educado com uma das funcionárias que melhor trabalha ali) à frente de todos demonstrando o verdadeiro canalha que é com as mulheres. Questiono-me se este tipo de pessoa, e não vou dizer homem porque seria generalizar quando as mulheres também conseguem sê-lo, acham-se minimamente atraentes e no direito de invadir a vida das pessoas com conversas que em nada contribuem para a felicidade alheia.
Uma coisa é o flirt bem feito, aquele jogo que quase todo o ser humano gosta. Eu gosto e admito que sim, da troca de olhares, até de palavras mais calientes mas entre pessoas solteiras, descomprometidas, sem situações complicadas que nos permitam gozar o momento sem qualquer preocupação ou falta de respeito por quem quer que seja. Situações do género fazem-me, por vezes, descrer da lealdade, do amor e não quero que aconteça. Quero acreditar que ainda há boa gente no mundo, que sabe o quão são importantes os sentimentos dos outros, que sabe o seu valor, que quer preservá-los. Eu quero acreditar que ainda há gente que assedia porque pretende conquistar com uma intenção só: a de ser e fazer alguém feliz sem magoar ninguém.

6 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  2. Alto, temos macho no cantinho!! Que sorte a nossa! ;)

    ResponderEliminar
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  4. De onde é que eu conheço esta história! :)
    Ontem pedi-lhe para me trocar uma nota e perguntei-lhe se teria para me trocar. A resposta dele "Se não tiver por si ia nem que fosse ao banco de Portugal..."

    Enfim...

    ResponderEliminar
  5. É um cabrãozito que anda ali!
    Dizias para ele ir antes à merda e não voltar! Que raiva!!

    ResponderEliminar