Os espelhos

Tal como num espelho, metade da humanidade revê-se na outra metade.
E pior: não gosta do que vê e tenta mudá-la.
A realidade é que, como está a ver-se ao espelho, do não gosta é dela própria e o que tenta mudar é ela própria. Mas, como não sabe que é um espelho, não muda (porque pensa que é o outro quem tem de mudar) e continua a ver-se projectada no espelho sem mudar.
Começa a perder a paciência e declara guerra à sua imagem projectada no espelho. Atira para matar, parte o espelho e deixa de se ver. Acha que matou o inimigo quando, ao atirar ao espelho, deixou de se ver.
Assim, acha-se vencedora da guerra dos egos, por ter morto a outra metade da humanidade. A outra metade da humanidade não percebeu nada desta história porque estava voltada para o outro lado a atirar contra a sua própria imagem no outro espelho.
Resumindo: os seres humanos só vêm nos outros o que não gostam em si próprios e ainda acham que o outro é que tem o defeito.
O Homem tem de começar a olhar para si, deixar de fazer projecções neste espelho tão maléfico. Ao deixar de projectar, olha para si próprio e finalmente consegue ver algo para realmente corrigir e trabalhar.

Alexandra Solnado

3 comentários:

  1. Já tinha pensado em algo assim: a maior parte das pessoas critica nas outras os defeitos delas mesmas.

    Bom excerto.

    ResponderEliminar
  2. Para alguns é dificil assumirem suas falhas, fica mais fácil apontar o dedo!

    ResponderEliminar
  3. Penso não ser assim. Mas, vai na volta, e também sou.

    ResponderEliminar