Desabafo...

Minha alma está parva!!!

31 comentários:

  1. Olha...pode ser que ainda escreva um post sobre isso :)

    ResponderEliminar
  2. Tem que ser escrito com calma para não ferir susceptibilidades.

    ResponderEliminar
  3. Credo... ferir quem? Não conheço esse rapaz.

    ResponderEliminar
  4. Fiquei curioso.
    Se precisares de ajuda, apita aí, Mimi.

    ResponderEliminar
  5. Mimi!!! Ao tempo que não ouvia essa expressão! Anos!! Mimi não era uma palhaça?

    Se meu blog fosse mais anónimo talvez fosse mais fácil escrever ;) Tenho que fazer um esboço primeiro :D

    ResponderEliminar
  6. Mimi era a assistente do palhaço Batatinha.

    Mais anónimo? Xiii, estou a ver que vais escrever algo e o tal de Susceptibilidades pode vir a ler.

    ResponderEliminar
  7. Se eu sou a Mimi podias ser o Batatinha!

    Sim, mais anónimo :) Sílvia Maria tem muitos conhecidos :p (e fala na 3ª pessoa)
    E depois ficam chocados com minha sinceridade...

    ResponderEliminar
  8. Para que queres que eu seja o Batatinha? Queres fazer uma dupla comigo, é? Why?

    Anda lá moça, desde que o Susceptibilidades não tenha nada a ver comigo escusas de te cansar a fazer o esboço.

    ResponderEliminar
  9. Porque duplas são sempre boas! E neste caso divertidas :p

    Eu vou escrever, mas tem que ser com jeitinho...

    ResponderEliminar
  10. Mas eu seria a Mimi, n'era? Porque era aquela que não tinha piada.

    Tu assustas as pessoas, com tanto suspense.

    ResponderEliminar
  11. E o Batatinha tinha?!?

    Lol..não é intenção assustar. Buuu!!
    Porra...não é nada de mal!!! :D

    ResponderEliminar
  12. Então, se não tinham piada, como é que eram divertidos e para que serviria essa nossa dupla?

    Scary...

    ResponderEliminar
  13. Complicado o sr. Gimbras!!

    Nós seriamos divertidos eles não...são palhaços mas sem piada coitadinhos!!! Pelo menos quando os via achava uma grande seca!

    Pronto, está bem, não fazemos dupla alguma...fogo!! Que mau...

    ResponderEliminar
  14. Complicado eu? Não! Só queria ver a lógica da cena.

    Mocinha, tu gostas ou adoras colocar palavras na minha boca? Fazes as decisões por mim, é? Mulher decidida, estou a ver.

    ResponderEliminar
  15. Nem tudo tem lógica Gimbrinhas...

    Mocinha!! Olha, olha! Eu não coloco nada na boca de ninguém!!! :p
    Agora estou confusa...temos ou não temos dupla? Assim fica difícil entrar no mundo do espectáculo! :D

    ResponderEliminar
  16. Queridinha, é necessário o mínimo de lógica para entender algumas intenções, se não o pobre desconfia...

    Alguma vez disse que não?

    ResponderEliminar
  17. Por favor, não me chames queridinha! Não é bom sinal no meu vocabulário! :s

    Isso é tudo muito relativo! Neste caso não há lógica para a dupla, simplesmente apetece! Podemos considerar lógico isso?

    Nunca disseste que não, também não disseste que sim.

    ResponderEliminar
  18. Desculpa, queridinha. :P (Sem malícia. No meu dicionário é algo fixe.)

    Mas apetece porquê? É que sou muito desconfiado. Ao menos uma razão. Sem ser um "apetecimento", porque os caprichos são fugazes.

    "Nunca disseste que não, também não disseste que sim." Lá por não ter dito que sim... não quer dizer que a dupla não possa existir, principalmente... se não disse que não...

    ResponderEliminar
  19. Grrrr!!!

    Já reparei que sim. Queres agora que exponha as minhas razões aqui, assim...sem mais nem menos!:p Porque tens bom sentido de humor. Vale?
    Mas tens razão, os caprichos são fugazes. Se não alimentados são esquecidos rapidamente mas se lhes dermos atenção podem gerar algo mais!

    Não disseste que sim por isso poderia supor que não quisesses , mas também é verdade que quem cala consente. Na mesma assim, fico sem resposta.

    ResponderEliminar
  20. Ai moça!

    Expõe as razões. O bom sentido de humor é uma boa razão. Mas e da tua parte? Que tens para oferecer à dupla?

    Não concordo com o teu conceito de caprichos. Para mim, mesmo alimentados... podem terminar. Olha para as crianças mimadas, pedem-te um brinquedo. "Alimentas" o capricho ao oferecê-lo e depois? Passados minutos, já não querem saber dele para nada. Como achas que se sente o brinquedo? Por isso, caprichos nem pensar, apenas desejos consistentes pelos quais lutemos e valha a pena lutar.

    Exacto, não respondi. Mas não declinei, logo não precisas de abandonar a ideia da dupla. Se não, mostras que é... puro capricho.

    Hihihi!

    ResponderEliminar
  21. Que é rapaz!?!

    Do modo como colocas a questão percebo que aches que eu não tenho bom sentido de humor. Olha...ofereço minha beleza natural :p

    Por acaso quando pensei em capricho não o associei a crianças mas a adultos. Nas crianças concordo, um capricho é fugaz. No entanto quando pensei nos adultos pensei no sentido de uma curiosidade que poderia eventualmente passar a um interesse mais permanente. Acredito que aconteça, ou os adultos são todos uns mimados?

    Não estás a dar uma resposta. Continuo sem saber se sim ou não. No entanto, se não preciso de abandonar vou aceitar isso como um sim.
    Se fosse um capricho não o abandonava até estar satisfeito e se respondesses que não, não seria o caso.

    :P

    ResponderEliminar
  22. Rapariga... que não entendes! :X

    Se ofereces o teu sentido de humor e beleza, és bem-vinda.

    O problema é que, embora nem todos os adultos sejam mimados, ainda há alguns a pensar como crianças caprichosas.

    Logo, há sempre que desconfiar dos caprichos. Porque, neste caso, o "brinquedo" cobiçado pelo caprichoso também tem de ter alguma razão para se "oferecer". Não pode ser curiosidade de um lado.

    Não respondi ainda porque estou a ver se me convences.

    Não entendi bem a última frase. Não largaria o capricho até o satisfazeres. Mas se eu dissesse não, não o terias satisfeito, é isso?

    ResponderEliminar
  23. Lol!

    Penso ser fácil topar à distância quem age por capricho.

    Achas que o que é desejável primeiro tem que ser "oferecido"? Penso que dentro da "oferta" há coisas que podem deixar de ser desejáveis pelo simples acto de se "oferecer". Outras poderão simplesmente ser desejadas sem se "oferecer". Agora se estivermos a falar de oferta e procura em ambos os sentidos..isso sim. Nunca tiveste curiosidade por alguma coisa sem ter reciprocidade?

    E se ofereço meu sentido de humor e beleza torno-me desejável?

    Estou a tentar convencer-te...não és fácil!

    Um capricho só deixa de existir depois de satisfeito senão ficamos desejosos. Se me disseres que não, vou ficar com o capricho por satisfazer, e portanto, continuará capricho.

    ResponderEliminar
  24. Bem... grande confusão.

    Para mim é difícil topar gente caprichosa. Vou, em breve, publicar algo sobre isso e sobre o que essa gente quis que eu lhe oferecesse. Sendo que, quando eu finalmente lhe dei o que queriam, viram o seu capricho satisfeito e desprezaram a oferta. Pura e simplesmente.

    Não falo que o que é desejável tem de ser oferecido. Digo é o seguinte (voltemos ao exemplo da criança): se a criança quer o brinquedo por puro capricho, mal o pai o compra, satisfeito o pedido do menino, o capricho cessa e o menino deixa de querer saber do brinquedo.

    Ou seja, mal o brinquedo foi dado pelo pai (oferecido), a criança já não o quis para nada. Era só a vontade de o ter, mais nada.

    Falando da gente caprichosa: se querem algo de outra pessoa, pergunta-se se não é por puro capricho. Porque não se está para lhes satisfazer a vontade e, logo a seguir, com o desejo de a ter satisfeito, voltarem as costas.

    Não é "oferecido" de fácil. É oferecido no sentido de sastifazer o capricho a quem o deseja.

    Posso ter tido curiosidade sem reciprocidade, no entanto, essa curiosidade só pôde ser satisfeita se a outra parte também estava curiosa por mim.
    Ou seja, é preciso estarem os dois curiosos para "dançar o tango". Se estiver só um, por que raio o outro há-de lhe dar o que ele quer?

    Se ofereces isso, sim, podes ir começando a convencer-me. Só que dizes que não há o tal "espaço". É por isso que duvido... dos caprichos.

    ResponderEliminar