Eu sou boa gente

Como passei a reflectir um pouco mais sobre mim passei a reparar que existem imensas coisas das quais me sinto orgulhosa.

Algumas pessoas não se identificam comigo, outras criticam se tenho bom ou mau feitio, se sou acessível, simpatica e outras coisas mais. Decidi que o mais importante é que eu goste de mim, me sinta bem comigo mesma e não ligar tanto ao que as outras pessoas pensam de mim ou julgam saber de mim.

Sou uma boa pessoa e isso ninguém pode tirar. A única pessoa que magoo sou eu mesma, com o resto do mundo sou demasiado cuidadosa para não ofender, magoar ou entristecer. Muitas vezes deixo que as pessoas digam coisas que não devem sobre mim sem me defender com receio de ser bruta ao faze-lo. Isso não faz de mim boa pessoa mas sim ingénua e estúpida na maior parte das vezes, mas já aconteceu. Não acontecerá mais.

Sou o tipo de pessoa que não faz mal nem a um bicho, literamente. Quantas vezes fiz filmes em torno do salvamento de um pobre insecto. Ainda no outro dia apareceu uma aranha no meu quarto. Iam mata-la mas achei que seria injusto. Apesar da repulsa que me causam estes seres lá fiz um projecto em torno do seu salvamento antes que alguém a esmagasse. Por entre berros e caras de nojo la consegui coloca-la do lado de fora da janela. Provavelmente morreu com o frio ou a chuva, mas existe a possibilidade de ter ido parar a um buraquinho no chão e salvar-se. Valeu a intenção e minha consciencia tranquila. Este é um exemplo entre vários de salvamentos.

Eu sei que sou boa pessoa!

Eu sou uma pessoa divertida. Verdade que o ano de 2009 não foi o perfeito exemplo de minha extroversão. Claro ficou que quando vou ao fundo vou e é difícil regressar mas não deixo de ser uma pessoa divertida. Sempre adorei rir-me, sempre adorei um bom sentido de humor, sempre adorei ambientes felizes. Tenho meus momentos de melancolia, momentos em que me vou abaixo como toda a gente. Não seria humana se assim não fosse. Mas sou divertida e muito. Lembro-me das minhas colegas na escola preparatória acharem-me uma companhia super agradável e passavamos os intervalos às gargalhadas. Lembro-me de me sentir acarinhada nessa altura pelos seus olhares de admiração. Miúdas que faziam parte daquele grupo restrito dos esquisitos e meio que gozados pelo resto da canalhada, tão esquisitas quanto as restantes mas por algum motivo "populares". Encontravam em mim uma forma engraçada de passar o seu tempo e de se abstrairem do lado menos bom da escola. E como eu me orgulhava de lhes dar esses momentos. Sentia-me especial.

Eu sou uma pessoa divertida!

Sou uma pessoa pacífica. Não gosto de confusões. Em todos os sentidos. Algumas pessoas acham que gosto de complicar em vez de sorrir. Que fervo muito depressa e faço uma tempestade num copo de água. Sou impaciente, é verdade. Minha paciencia já teve melhores dias e meu sistema nervoso tambem já foi mais calmo do que é hoje. É apenas o resultado de imensos factores que ao longo dos ultimos 6 ou 7 anos moldaram a minha vida. E ninguém sofre mais do que eu com isso. A prova está nas minhas noites de verdadeira odisseia mental que provocaram-me dores valentes nos dentes que nem a dentista sabe resolver! Mas não gosto de confusões, discussões, mal-entendidos e coisas afins que só desgastam energia e entristecem.

Eu sou uma pessoa pacífica!

Sou muitas coisas boas juntas. Dou-me a conhecer a quem quero, a quem julgo valer a pena. Os outros, que não me conhecem, que não sabem quem sou, como sou, como reajo, esses não têm uma opinião válida, esses não sabem o que falam e so perdem a oportunidade de conhecer-me.

Tenho orgulho na pessoa que sou, no que me tornei e no que sou capaz de fazer. E não aceito opiniões contrárias! :)

14 comentários:

  1. Grande Sílvia, é assim mesmo. :)

    Boa frase: Dou-me a conhecer a quem quero, a quem julgo valer a pena.

    :)

    Adorei este teu post.
    Beijinho.

    ResponderEliminar
  2. Patrícia: e tenho tudo dito!! :D

    Teias de sonhos: obrigadão! ;)

    ResponderEliminar
  3. "Os outros, que não me conhecem, que não sabem quem sou, como sou, como reajo, esses não têm uma opinião válida, esses não sabem o que falam e so perdem a oportunidade de conhecer-me."

    Brilhante final. Só pode opinar quem te conhece. E mesmo que conheçam, podes sempre discordar.

    Curioso e engraçado: eu também sou mais inflexível comigo mesmo e tenho imenso cuidado no que digo para não ofender os outros. Mas também não gosto de algumas coisas que me dizem, porque se fosse eu a dizê-las, acharia muito bruto.

    E também sou incapaz de matar os bichinhos. Pego neles e coloco-os fora de casa. Eles lá sabem o que fazer para sobreviver, até porque é lá fora que é o seu habitat.

    :D

    ResponderEliminar
  4. Se calhar o normal é realmente sermos mais inflexíveis connosco. As pessoas mais sensíveis aos sentimentos dos outros reagem assim...e depois suportamos algumas coisas menos boas por parte dos outros.

    :)

    ResponderEliminar
  5. Mas se atacarem algum dos meus... ai ai, aí passo-me!

    ResponderEliminar
  6. Evidentemente que sim! Aí viro fera tambem!

    ResponderEliminar
  7. És boa pessoa sim.
    Gostei do texto e gosto de te saber assim, tal como deve ser...renascida e pronta para a vida!
    Beijinho

    ResponderEliminar
  8. Também gostei muito do texto. Não te conheço bem, aliás pouquinho mesmo, e fiquei agradavelmente surpreendido com o que expressas aqui.
    É sempre difícil gostarmos de nós próprios ao ponto de deixar de ligar ao que os outros dizem e pensam. Principalmente para quem tem sempre em atenção o que diz e mede as palavras para não ferir ninguém. Por muito que se queira é complicado deixarmos de querer transparecer uma boa imagem da nossa pessoa. Porém, todos deveríamos proceder de forma natural: sermos somente nós, dizermos os que quisermos, fazer o que apetecer-nos, magoar se tiver que ser... Porque aí seremos verdadeiros e saberemos, inclusive, se os outros gostam de nós ou não.

    E a parte dos bichinhos tocou-me. :)

    **

    ResponderEliminar
  9. Concordo contigo. Se agirmos todos de forma natural receberemos dos outros atitudes naturais também, boas ou más, conforme gostem ou não. Mas o mais importante mesmo é nos sentirmos bem connosco. É caminho andado para transmitirmos bem-estar para o resto do mundo.
    Ainda bem que gostaste :)
    Obrigada

    ResponderEliminar
  10. É interessante ler os teus posts antigos, gostei muito deste.

    ResponderEliminar
  11. Ainda bem que gostaste! Tenho um bom arquivo no blog, adorei saber que andaste a ve-lo. Tenho imensas coisas que já ninguem liga...

    ResponderEliminar
  12. e é uma pena...
    gostei imenso, é daqueles que vou reler mais vezes.

    ResponderEliminar