Conversas de cabeceira XIV

- Meus pensamentos têm estado estranhos, diferentes...sinto-me adormecida , numb...
- O que está a provocar isso em ti?
- Mudanças. Sinto tudo a mudar à minha volta. As pessoas, as atitudes, eu...A desilusão que eu sentia deu lugar a um novo movimento em mim.
- Isso é bom!
- Por um lado é óptimo, mas por outro consegui descortinar o que fazia-me mal, quem fazia-me mal e é desapontante quando percebes que tens de afastar-te de quem mais amas para puder crescer, ser feliz, libertar-te de amarras e juízos de valor
- Nem sempre essas pessoas, apesar de quererem o melhor para nós, conseguem fazê-lo da melhor forma. Sempre foste demasiado protegida e sabes bem como isso te cortou as asas.
- Espero que não tenha cortado, apenas amarrado porque sinto uma tremenda vontade de voar. Só não queria que tivesse acontecido desta forma. Acho injusto.
- O que, na tua vida, tem sido justo?
- Já não penso no que passou. Estou a pensar apenas no agora, no que posso fazer agora para continuar firme, de pé.
- Não me pareces estar com dificuldade...
- Mas estou magoada. Os olhares, as atitudes...
- Também estão magoados contigo.
- Eu sei, não quer dizer que concorde com a mágoa deles. Exagerei mas acumulei demasiado também. foram muitos anos de manipulação. No fundo eu culpo-os pelos meus fracassos...
- Achas correcto?
- Em parte sim. Mas isso já era ir ao fundo da minha mente e não estou para isso. Finalmente minha mente está a dar-me um descanso, não vou mexer no que está quieto.
- Só não te isoles, pára de pensar que nasceste para estar sozinha e sai, diverte-te, convive. Tu precisas de pessoas.
- Vou tentar...

2 comentários:

  1. É verdade, penso o mesmo, precisamos de nos afastar de algumas pessoas (quando é possível), mas também de conviver de forma saudável com outras!

    ResponderEliminar