Não sei mais quem sou

"Falta-te força de vontade" disse-mo a minha mãe. Não teria arranjado melhor definição.
Quando perdi-a, como, onde, não faço ideia mas que já não a tenho comigo é certo e faz tempo.
Andava perdida sem saber como expressar o que sinto, o que vivo, e a minha ausência de praticamente tudo o que era normal na minha vida retrata esse estado de espírito.
Pensei que fosse fácil recuperar-me mas não o é. Falta-me a força de vontade de fazê-lo, o propósito, a capacidade de erguer-me, de levantar o rosto e olhar em frente sem questionar-me no segundo a seguir porquê fazê-lo se pouco ou nada importa.
Perdi-me dentro de mim. Sinto-me rejeitada pelo mundo, culpada pelas minhas escolhas, inútil, sem piada, sem importância.
Gostava que as minhas palavras ecoassem e trouxessem de volta a minha força. Ninguém sabe como custa-me sorrir, ninguém sabe como tem sido difícil aceitar-me, aceitar que tudo à minha volta mudou e estive distraída tempo demais para agora acompanhar o ritmo.
Procuro em tudo o que posso uma 'mão' que se estenda até mim e me agarre enquanto há tempo. Não o escondo nas minhas palavras que sofro, que vivo triste, que estou sensível até demais.
Por onde passo quase nada vejo. A vida para os outros tem significado, tem um plano, uma estrutura. A minha passou a ser apenas o nada e não tenho ideia como mudar isso.
Cansei-me de tentar ouvir-me, de tentar escutar a 'voz interior' que dizem conter as respostas que necessitamos para viver a vida mas o ruído que me cerca passou a ser demasiado e já não escuto nada a não ser o chorar da minha alma.
Se há um motivo que Deus mo diga qual é antes que lhe vá perguntar directamente...

Sem comentários:

Enviar um comentário