O diário da nossa paixão


No passado Sábado repetiu uma vez mais o filme 'O diário da nossa paixão' inspirado num romance de Nicholas Sparks. Não sou nada fã deste escritor mas este filme consegue, por mais vezes que o reveja, levar-me completamente às lágrimas. 
A história não poderia ser mais perfeita, o que a torna demasiado surreal, mas confesso que fico roída de inveja por não ter nada semelhante na vida. É simplesmente linda a forma como o amor é retratado por este autor. A visão dele é simplesmente perfeita e não é possível ficar indiferente a uma história assim.
Vejo neste filme uma forma de inspiração. Os meus olhos absorvem a informação e reproduz-se na minha mente uma cópia na qual a protagonista sou eu. E ele...bem, isso já é outra história.
Na verdade, tudo na vida seria muito mais bonito se a paixão, a entrega e a dedicação fossem como no filme, se as pessoas soubessem o valor umas das outras e não tivessem qualquer problema em demonstra-lo, problema algum em ir à luta mesmo sentindo a rejeição nas primeiras investidas. E contra mim falo, sou incapaz de fazê-lo. O impulso perdeu-se pelo caminho e tornei-me demasiado racional, medricas mesmo. 
Vejo o filme e sinto por dentro uma vontade incrível de deixar de lado os medos, partir em busca do que quero. Mas essa vontade perde-se no 'the end' assim como toda a minha coragem e não consigo deixar de torturar-me por isso. 
Quem tiver histórias assim tem mais é que aproveita-las que com a idade tudo parece ficar cada vez mais difícil.

1 comentário:

  1. É a história da minha (nossa) vida.. Muitas parecenças... so far...
    Adoro o filme....

    Bjs*

    ResponderEliminar